Luciana Genro

Truculência e manobras para tirar direitos dos municipários de Porto Alegre

12 de julho de 2018 14h36

A quarta-feira, 11/07, ficou marcada na história da Câmara Municipal como um dia de truculência e desrespeito com os servidores públicos municipais. Marchezan quer atacar direitos históricos conquistados pelos municipários com muita luta, e para isso todo o verniz democrático do sistema está sendo desnudado. Para aprovar o que querem usam manobras e violência que nem mesmo a Justiça aceitou. Ontem, ao autorizar a entrada do Pelotão de Choque da Brigada Militar para, juntamente com a Guarda Municipal, reprimir a legítima manifestação dos servidores, só mostra o desespero do prefeito em tentar aprovar seus ataques ao funcionalismo pois se o debate democrático for feito na Câmara e com a sociedade Marchezan será derrotado. Na manhã desta quinta, a Guarda Municipal chegou ao absurdo de passar uma corrente no portão da Câmara. A participação dos servidores na sessão de hoje só foi liberada após uma decisão judicial, e mesmo assim muitos seguem do lado de fora da Câmara sob ameaça do pelotão de choque.

A bancada do PSOL na Câmara – Roberto RobainaFernanda Melchionna e Prof. Alex Fraga – exige a investigação da ação covarde e truculenta da polícia, que feriu servidores, imobilizou covardemente uma funcionária e destruiu o patrimônio público. A bancada do PSOL também cerra fileiras ao lado dos servidores. Nenhum direito a menos!

No vídeo, assista um pouco dos absurdos registrados ontem:

#NãoPassarão