Luciana Genro

Heloísa Helena é confirmada presidente do PSOL

24 de agosto de 2009 14h38

Partido decidirá nome para eleições presidenciais em conferência em outubro

Crédito: Antônio Índio

Crédito: Antônio Índio

Num acordo construído entre a maioria das forças do partido, o II Congresso Nacional do PSOL aprovou a realização de uma convenção eleitoral dentro de 60 dias para definir o nome do partido que concorrerá à presidência da República nas eleições 2010. O nome de Heloísa Helena segue como principal opção, mas ela defende que o partido construa antes o programa que pretende apresentar para a disputa eleitoral do próximo ano.

“Uma candidatura à presidência da República não é uma decisão pessoal. Ela reflete o acúmulo da estrutura partidária e a construção do programa”, afirmou. “O partido tem que construir seu programa, apresentar as alternativas concretas e eficazes que possam disputar no imaginário popular uma outra alternativa para o Brasil, com desenvolvimento econômico e sustentável e com inclusão social, e quando tivermos esse programa vamos discutir qual o melhor quadro partidário, do PSOL ou de outro partido, que possa representar esse projeto.”

Para Milton Temer, presidente da Fundação Lauro Campos, o PSOL deve mostrar rapidamente sua diferença com um programa sólido, uma produção unitária do partido, aprovada pela convenção eleitoral.

Nova direção para o PSOL

No final da tarde deste domingo, 23, os delegados do II Congresso também escolheram a nova direção do partido. Ao todo, foram apresentadas três chapas. Heloísa Helena encabeçou a chapa 3 – MES-MTL – Ginazzi e Milton Temer. Este bloco havia proposto a eleição em separado da presidência para que Heloisa fose eleita por todos, o que foi recusado pela chapa 1(APS, Enlace, CSOL, Raul Marcelo). Entretanto, mesmo obtendo 30 votos a mais que a chpa 3, a chpa 1 decidiu não indicar a presidência, ciente de que ninguém mais teria legitimidade para assumir a presidencia do PSOL que não Heloisa Helena. Assim, Heloísa segue sendo a nossa presidente, para conduzir o PSOL no rumo que já vinha trilhando, de enfrentamento ao PT e PSDB e de construção de uma alternativa de esquerda para o Brasil. Para um balanço mais detalhado leia no blog da luciana o texto assinado por Roberto Robaina.