Luciana Genro

Luciana participa de ato com trabalhadores da Embraer

04 de março de 2009 17h46

“Governo federal pode interceder para resolver a situação”, afirma líder do PSOL

Luciana entre os funcionários da empresa

Luciana entre os funcionários da empresa

Comissão formada por trabalhadores da Embraer e pelo líder do PSOL, deputado Ivan Valente, foi recebida pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para tratar das demissões de mais de 4,2 mil funcionários da empresa de aviação. O presidente Lula se prontificou a interceder e falar com a direção da Embraer para que a empresa estabeleça uma mesa de negociações com o sindicato, com o objetivo de reverter a situação.

O presidente Lula informou ao deputado Ivan Valente, ao representante da Conlutas, Luiz Carlos Prates, o Mancha, ao presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Adilson dos Santos, e a trabalhadores demitidos que solicitou à Presidência um estudo sobre a situação da Embraer e proposta de recuperação dos postos de trabalho. “Vamos trabalhar para que a Embraer volte a produzir e retome os empregos”. O presidente disse ainda que acredita que a justiça mantenha a decisão, concedida por liminar, que suspendeu as demissões.

Segundo o representante da Conlutas, Luiz Prates, não há motivo para as 4.270 demissões já que a Embraer possui R$ 3,6 bilhões em caixa. Ele disse ao presidente Lula, que na semana seguinte às demissões, ocorrida no dia 19 de fevereiro, os trabalhadores chegaram a fazer hora extra.

Para o deputado Ivan Valente, a interferência do presidente Lula no caso tende colaborar com a luta dos trabalhadores demissionários ou não. “A situação é de emergência. E o governo federal pode muito interceder. O que não pode é os trabalhadores pagarem pela crise econômica”.

Em seguida a comissão foi recebida pelo presidente da Câmara dos Deputados, Michel Temer, que afirmou que o que estiver ao alcance da Casa será feito. Ele informou que serão formadas algumas comissões para tratar da crise mundial e uma, especialmente, tratará da questão dos empregos.

Antes das reuniões, grupo de trabalhadores fez ato na Praça dos Três Poderes. A deputada Luciana Genro disse que a crise econômica mundial não pode ser paga pelos trabalhadores. Ela lembrou do Projeto de Lei 4526/2008, de sua autoria, que proíbe as demissões sem justa causa por seis meses e afirmou que não estão sendo cumpridas normas da Organização Internacional do Trabalho. “Mais demissões só geram mais crises”.

Para o deputado Chico Alencar, a situação atual da economia mundial está tendo reflexo com a “perversidade das demissões”, que é sentida pelos trabalhadores. Ele destacou ainda que a necessidade da Embraer voltar a ser “estatal, democrática e popular”.

Para o senador José Nery, deve ser garantido o direito fundamental ao trabalho e à remuneração justa para sobrevivência com dignidades. Ele citou que o senado instalou ontem uma comissão de acompanhamento da crise econômica.

“O Congresso Nacional não pode ficar à parte desta situação”, completou Ivan Valente. O deputado informou que na próxima semana será apresentado na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara requerimento, em parceria com a deputada Manuela D’Ávila, para realização de audiência pública com participação de representantes da Embraer, do sindicato dos trabalhdores, centrais sindicais e Ministério do Trabalho.

Fonte: Liderança do PSOL