Luciana Genro

Juremir Machado da Silva: “O RS na lista Fachin”

20 de abril de 2017 10h28

*Artigo do jornalista Juremir Machado da Silva, originalmente publicado em seu blog no dia 18 de abril.

Nossas façanhas já não servem de modelo a toda terra.

Pode haver muitas injustiças nas delações.

Luciana Genro calou a boca da Odebrecht com um e-mail de pelica.

Mostrou na base do cala a boca que não deu guarida para as propostas indecorosas da empreiteira que comprou o Brasil dos consórcios formados alternativamente por PSDB, PT, PMDB, PP e acionistas minoritários.

A deputada Manuela D’Ávila, citada na lista Fachin, também parece ter boa explicação. Beto Albuquerque, segundo despacho, teria captado recursos para ela quando era seu adversário em eleições. Pode isso, Arnaldo?

Em princípio, não faz sentido algum.

A deputada Maria do Rosário quer ver primeiro com clareza de que lhe acusam para depois de manifestar.

O deputado Onyx Lorenzoni diz estar mais firme do que um diamante.

Os defensores da deputada Yeda Crusius sugerem que ela pode estar sendo vitima de denúncia requentada.

Nem tudo que brilha nas listas terá luz no futuro.

É verdade que todos os citados de sul a norte se dizem inocentes.

Alguns, porém, conseguem ser mais convincentes nas suas argumentações.

Os delatores não são santos milagreiros, embora tenham produzido multiplicação de propinas.

Não se pode, contudo, acusá-los de falta de senso de humor.

Graças a ele temos agora uma dupla caipira, sertanejos políticos: Fodão e Fodinha.

Nas barrancas do rio Uruguai a privatização da água e do saneamento deu m.

Um ministro é acusado de ter levado bola em três governos.

Pode pedir música naquele programa insuportável de domingo à noite?

*

Delatores são astutos.

Um deles disse que pagou para o pastor Everaldo fazer escadinha a Aécio Neves em debates.

A prova é que a escadinha aconteceu.

Críticos das “malícias” dos delatores invertem a prova num jogo de malabarismos retóricos: e se o delator, precisando contar coisas prováveis ou provadas, citou a escadinha por ter se lembrado do que viu num debate?