Luciana Genro

Dias 8 e 15 de março: fortalecer a luta contra Temer e por direitos

02 de março de 2017 11h45

Mês de março será marcado por mobilizações contra Michel Temer e marchas de mulheres | Imagem: Adria Meira

Por Luciana Genro

O depoimento de Marcelo Odebrecht ao TSE fecha o círculo que vincula Padilha e Temer a um pacote de dinheiro. Nunca antes na história um governo perdeu tantos ministros por corrupção como Temer. E praticamente todos estão na mira da Lava Jato, inclusive o próprio Temer.

A única proteção do governo, além das chicanas jurídicas, é a promessa de reforma da Previdência, sonho de toda a casta política e empresarial. Mas a resistência é forte. São muitos e profundos os ataques, a começar pelos direitos das mulheres, que têm sido linha de frente da mobilização social. Também nunca antes vimos um carnaval de rua tão politizado, com tantos blocos entoando o Fora Temer.

O dia 8 de março vai ressoar a luta das mulheres contra a reforma da Previdência e por mais direitos. O dia 15 será um forte dia de luta e mobilização. É preciso unir o Fora Temer à luta concreta contra a retirada de direitos e à exigência de antecipação das eleições gerais. Figuras como Bolsonaro também crescem nestes momentos de crise política e desalento. Estamos vendo este filme nos Estados Unidos, com Trump, e em vários países da Europa.

Por isso é urgente dizer ao povo: sim, é verdade, esta democracia está podre, é dominada pelos milionários. Mas a saída não é o fim da democracia, a intolerância, a repressão . A saída é democracia real, auto-organização dos trabalhadores, da juventude, das mulheres, da comunidade LGBT, dos negros e negras. A saída é fortalecer a luta por direitos, contra o preconceito e a opressão. A saída é não aceitar que os milionários e a casta política sigam governando a favor de si próprios e contra a maioria do povo.