Luciana Genro

Em encontro com artistas, Luciana reafirma compromisso com investimentos e descentralização da cultura

19 de setembro de 2016 16h25
Luciana respondeu perguntas e detalhou propostas | Fotos: Alvaro Andrade/PSOL

Luciana respondeu perguntas e detalhou propostas | Fotos: Alvaro Andrade/PSOL

Em encontro com representantes do Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do RS (SATED/RS), Luciana Genro defendeu a ampliação do orçamento para a secretaria da Cultura, hoje inferior a 1%, a descentralização dos editais e dos espaços culturais para que as atrações artísticas sejam fomentadas em todas regiões da cidade. Ela reuniu-se nesta segunda-feira (19/09) na Associação do Centro Cultural Cia de Arte, no Centro Histórico, acompanhada dos candidatos a vereador Hamilton Leite e Fernanda Melchionna.

Luciana fez uma apresentação geral do plano de governo para a área cultural, que tem um capítulo específico com diagnóstico, análise e propostas para o setor. Lembrou que o conteúdo é fruto de uma série de debates que ocorreram desde o ano passado com pessoas da área. “Não é um improviso, não é meia dúzia de páginas feitas em cima da hora pra entregar ao TRE, repleto de palavras de ordem. E assim será nosso governo, com projetos desenvolvidos e amparados na sociedade civil organizada, não em partidos”, frisou.

Sobre os investimentos em cultura, firmou o comprometimento de subir o orçamento da secretaria para 1,5% já no primeiro ano de mandato, mas com a meta de alcançar os 3%, para estancar a lógica de redução das verbas que levou 2016 a ter o orçamento mais baixo da história. “Faremos investimentos em cultura dialogando com outras áreas, especialmente segurança e esporte, como forma de oferecer alternativas e disputar a juventude que vem sendo tragada pela criminalidade”.

A candidata ainda abordou a descentralização como forma de fomento aos artistas e universalização do acesso a apresentações e espetáculos das mais variadas formas. “Temos nas escolas um terreno fértil para eventos culturais, com espaços ociosos que poderiam ser ocupados. Também faremos editais territorializados do Funproarte, colocando em pé de igualdade projetos elaborados em diferentes áreas”, citou, lembrando que o objetivo é promover um intercâmbio entre a produção cultural da área central da cidade com as iniciativas desenvolvidas na periferia. Um exemplo da concentração do acesso à cultura é de que 88% dos espaços culturais estão na área central da cidade, prejudicando o acesso universalizado.

Os participantes do encontro ainda demandaram apoio à arte de rua, novos concursos públicos para agentes culturais, abertura de novos espaços, como no Hospital São Pedro, e reforma dos existentes, como teatro Túlio Piva e a Usina do Gasômetro.