Luciana Genro

Os trabalhadores não podem pagar a conta da corrupção

13 de dezembro de 2014 12h09

Há uma regra de ouro da burguesia: não importa o problema, não importa quem tenha causado o problema, quem deve pagar por ele são os trabalhadores. Até a quinta-feira dessa semana, a Engevix, umas das empreiteiras envolvidas no escândalo da Petrobrás, já tinha demitido 3.000 trabalhadores do estaleiro do porto de Rio Grande (RS), o segundo maior do país. Quem ficou entrou em férias coletivas. Essas demissões se somam às 1.000 da Iesa (em Charqueada/RS), agora suspensas pela Ministério Público do Trabalho. A Iesa é outra das empreiteiras acusadas de desvio de dinheiro público na Operação Lava Jato.

Iesa e Engevix juntas desviaram, pelo menos, cerca de 20 milhões de reais dos cofres da Petrobrás, para sustentar a própria farra e financiar as campanhas dos mesmos partidos e políticos que agora não movem uma palha para proteger o direito dos trabalhadores

Não vamos aceitar que os corruptos, que passaram mais de uma década roubando o povo, agora queiram que quem passou esse tempo todo trabalhando pague a conta. É justamente para o povo não seguir pagando a conta desse regime corrupto que apoiamos as investigações e a condenação de todos os corruptos e corruptores.