Luciana Genro

Luciana Genro envia saudação a debate realizado na USP sobre política de drogas

05 de agosto de 2014 19h21

Por Redação #Equipe50

Por incompatibilidade de agenda, Luciana Genro, candidata do PSOL à Presidência da República, não comparecerá ao debate “Maconha e eleições presidenciais: a ousadia que faz a diferença”, promovido na noite desta terça-feira (05) na Faculdade de Direito Largo São Francisco, em São Paulo. Entretanto, ela marcará presença no evento por meio de uma carta que ela escreveu deixando clara a sua posição sobre o assunto, e que será lida por um militante do PSOL durante o debate.

Formada em Direito, Luciana Genro concluiu em julho deste ano sua pós-graduação em Direito Penal e Processo Penal. No trabalho de conclusão de curso, ela defendeu o fim da chamada “guerra às drogas” e a implementação de um novo modelo de política de drogas para o país. Sob o título “Guerra às drogas ou guerra aos pobres?”, a monografia faz uma análise da repressão às drogas ilícitas.

Ela analisa os modelos alternativos que se apresentam e comprovam a existência de uma política de drogas pautada por preocupações sociais e de saúde pública, e não por um combate meramente repressivo, como existe atualmente. Luciana Genro fala sobre o modelo do Uruguai, que controla, através do Estado, a produção, distribuição e o consumo da maconha. E explica, também, o projeto de lei 7270/14, do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), que permite o comércio e a produção de cannabis pela iniciativa privada, mas sob forte regulamentação do poder público.

Inclusive, há pouco mais de uma semana, o jornal “The New York Times” defendeu em seu editorial a legalização da maconha. “O governo norte-americano deve revogar a proibição da maconha”, diz o texto. Para o maior jornal dos Estados Unidos, o governo deveria se inspirar na redução da violência nos estados onde a cannabis foi legalizada.

Abaixo, a íntegra da carta da candidata do PSOL que será lida no debate “Maconha e eleições presidenciais: a ousadia que faz a diferença”:

Para esta terça-feira, dia 05/agosto, fui convidada a participar do debate “Maconha e eleições presidenciais: a ousadia que faz a diferença”, na Faculdade de Direito Largo São Francisco.

Infelizmente, não por desinteresse, mas por um problema de agenda, não poderei estar presente no debate. Apesar disso, gostaria aqui de saudar a iniciativa do debate e dizer que desde o começo de minha campanha tenho firmado compromisso com a descriminalização e com a regulamentação do uso da maconha, um passo necessário diante da fracassada guerra às drogas, que na verdade é uma guerra aos pobres.

Os candidatos do sistema, com pequenas diferenças entre si, propõe uma expansão do modelo de repressão. Nós do PSOL nos apresentamos enquanto uma alternativa a esta política, seja através da militância do PSOL, que constrói as Marchas em suas cidades, seja em nossos mandatos, a exemplo de Renato Cinco (vereador no RJ), incansável defensor da legalização da maconha, Marcelo Freixo, lutador dos direitos Humanos e Jean Wyllys, autor do projeto de lei que 7270/14, que permite o comércio e a produção de cannabis pela iniciativa privada, mas sob forte regulamentação do poder público.

Apesar de não estar presente, carrego a certeza de que esta luta é um passo fundamental para enfrentar a criminalização da juventude e assegurar as liberdades democráticas. É preciso cobrar de cada um dos candidatos uma nova política de drogas para o Brasil.

Luciana Genro