Luciana Genro

Relatório da PF confirma mensalão no governo Lula

04 de abril de 2011 11h32

Documento divulgado pela revista ‘Época’ mostra que fundo com participação do BB foi um dos principais financiadores do esquema de Marcos Valério

Agência Estado

 

 BRASÍLIA – Relatório final da Polícia Federal confirma a existência do mensalão no governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Depois de seis anos de investigação, a PF concluiu que o Fundo Visanet, com participação do Banco do Brasil, foi uma das principais fontes de financiamento do esquema montado pelo publicitário Marcos Valério. Com 332 páginas, o documento da PF, divulgado pela revista “Época”, joga por terra a pretensão do ex-presidente Lula de provar que o mensalão nunca existiu e que seria uma farsa montada pela oposição.

O relatório da PF demonstra que, dos cerca de R$ 350 milhões recebidos do governo Lula pelas empresas de Valério, os recursos que mais se destinaram aos pagamentos políticos tinham como origem o fundo Visanet. As investigações da PF confirmaram que o segurança Freud Godoy, que trabalhou com Lula nas campanhas presidenciais de 1998 e 2002, recebeu R$ 98,5 mil do esquema do valerioduto, conforme revelou o Estado, em setembro de 2006. A novidade é que Freud contou à PF que se tratava de pagamento dos serviços de segurança prestados a Lula na campanha de 2002 e durante a transição para a Presidência – estabelecendo uma ligação próxima de Lula com o mensalão. No depoimento, Freud narrou que o dinheiro serviu para cobrir parte dos R$ 115 mil que lhe eram devidos pelo PT.

O relatório da PF apontou o envolvimento no esquema do mensalão, direta ou indiretamente, de políticos como o hoje ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel, do PT. Rastreando as contas do valerioduto, os investigadores comprovaram que Rodrigo Barroso Fernandes, tesoureiro da campanha de Pimentel à prefeitura de Belo Horizonte, em 2004, recebeu um cheque de R$ 247 mil de uma das contas da SMP&B no Banco Rural. As investigações confirmaram também a participação de mais sete deputados federais, entre eles Jaqueline Roriz (PMN-DF), Lincoln Portela (PR- MG) e Benedita da Silva (PT-RJ), dois ex-senadores e o ex-ministro tucano Pimenta da Veiga.

Segundo a revista “Época”, a PF também confirmou que o banqueiro Daniel Dantas tentou mesmo garantir o apoio do governo petista por intermédio de dinheiro enviado às empresas de Marcos Valério. Dantas teria recebido um pedido de ajuda financeira no valor de US$ 50 milhões depois de se reunir com o então ministro da Casa Civil José Dirceu. Pouco antes de o mensalão vir a público, uma das empresas controladas por Dantas fechou contratos com Valério, apenas para que houvesse um modo legal de depositar o dinheiro. De acordo com o relatório da PF, houve tempo suficiente para que R$ 3,6 milhões fossem repassados ao publicitário.

As investigações comprovaram ainda que foram fajutos os empréstimos que, segundo a defesa de Marcos Valério, explicariam a origem do dinheiro do mensalão. Esses papéis serviram somente para dar cobertura jurídica a uma intrincada operação de lavagem de dinheiro. De acordo com o relatório da PF, houve duas fontes de recursos para bancar o mensalão e as demais atividades criminosas de Marcos Valério. A principal, qualificada de “fonte primária”, consistia em dinheiro público, proveniente dos contratos do publicitário com ministérios e estatais. O principal canal de desvio estava no Banco do Brasil, num fundo de publicidade chamado Visanet, destinado a ações de marketing do cartão da bandeira Visa. As agências de Marcos Valério produziam algumas ações publicitárias, mas a vasta maioria dos valores repassados pelo governo servira tão somente para abastecer o mensalão.

A segunda fonte de financiamento, chamada de “secundária”, estipulava que Marcos Valério seria ressarcido pelos pagamentos aos políticos por meio de contratos de lobby com empresas dispostas a se aproximar da Presidência da República. Foi o caso do Banco Rural, que tentava obter favores do Banco Central e do banqueiro Daniel Dantas, que precisava do apoio dos fundos de pensão das estatais.

Vaccarezza rechaça nova versão sobre mensalão

KARLA MENDES – Agência Estado

Para representantes da bancada governista, o relatório final da Polícia Federal (PF) que confirmaria a existência do mensalão no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não altera a versão petista.

“Não tem fato novo. O relatório apenas mostra a atuação das empresas de Marcos Valério e fazem um nexo que não tem nexo”, disse o deputado Candido Vaccarezza (PT-SP), líder do governo na Câmara. Ele sustentou, porém, que houve apenas um erro confesso: o caixa 2. “O que eu posso dizer é que não houve transferência de dinheiro público, muito menos a acusação do procurador de formação de quadrilha”, disse.

André Vargas, secretário de comunicação do PT, amenizou a divulgação, dizendo que é apenas uma investigação e que ainda tem que passar pelo crivo do Judiciário. “O mensalão é tese da oposição, que a mídia e a Polícia Federal compraram. O Judiciário é que vai dar a última palavra”, argumentou. Ele descaracterizou as acusações de que o volume de dinheiro envolvido no esquema fosse para pagar parlamentares para votar favoravelmente às matérias de interesse do governo no Congresso Nacional.

ACM Neto: PT não terá mais como contestar mensalão

02 de abril de 2011 | 14h 32
KARLA MENDES – Agência Estado

Integrantes da oposição afirmaram hoje que o relatório final da Polícia Federal (PF) comprova de vez a existência do mensalão no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, jogando por terra a ideia de que o esquema de corrupção denunciado na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) era uma “farsa”.

“Diante de um relatório contundente como esse, o PT não vai ter como contestar mais, a título histórico, a existência do mensalão”, disse o deputado Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM-BA), sub-relator da CPI do Mensalão. “O ex-presidente Lula, que mostrou o desejo de desmontar essa história, não vai conseguir desmentir o mais grave escândalo de corrupção que ocorreu no coração do governo dele”, acrescentou.

O deputado, líder do DEM, está otimista que, a partir desse relatório, o Supremo Tribunal Federal (STF) não deixará o episódio “passar em branco” e apurará a responsabilidade de cada um dos envolvidos no esquema de lavagem de dinheiro.

“O mensalão aconteceu. Foi mais do que demonstrado. O PT só reconheceu que era caixa 2, mas não levaram uma pessoa sequer na CPI para demonstrar isso”, ressaltou o deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR). Serraglio, que era relator da CPI, destacou que a tese do PT nunca se sustentou. “Não era período eleitoral. Estava longe disso. E se era caixa 2, era só levar o relatório de pagamentos”, disse.