Luciana Genro

Zero Hora, 25 de outubro de 2010

25 de outubro de 2010 13h17

PESO ELEITORAL
Apenas 35 dos 513 deputados vencem com voto próprio
Manuela D’Ávila e Beto Albuquerque são únicos gaúchos eleitos com proporção mínima individual

Levantamento do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) indica que, segundo o resultado preliminar das eleições, apenas 35 dos 513 deputados federais eleitos alcançaram individualmente o quociente eleitoral nos seus Estados. Em 2006, 32 foram eleitos ou reeleitos com os seus próprios votos, sem precisar de suas coligações.

Bahia, Pernambuco e Minas Gerais elegeram cinco parlamentares cada um nessa situação. Ceará, Goiás, Pará, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e São Paulo têm dois eleitos cada. Acre, Distrito Federal, Piauí, Paraná, Rondônia e Roraima contam com um representante cada. No caso do Rio Grande do Sul, os dois deputados que alcançaram o quociente eleitoral foram Manuela D´Ávila (PC do B) e Beto Albuquerque (PSB), primeira e segundo mais votados da bancada gaúcha.

O humorista Tiririca, que conquistou 1,3 milhão de votos pelo PR em São Paulo, teve votos suficientes para ajudar a eleger mais 3,5 deputados de sua coligação.

Por outro lado, deputados com votação expressiva não foram eleitos. No Rio Grande do Sul, a deputada Luciana Genro (PSOL) não conseguiu ser reeleita, apesar de ter recebido 129 mil votos – a deputada não eleita mais votada do Brasil.

Para o líder do PSOL na Câmara, deputado Ivan Valente (SP), o sistema atual cria distorções “monstruosas” quando se trata de coligações partidárias, porque nem sempre o candidato “puxado” segue a mesma ideologia do mais votado.