Luciana Genro

iG, 23 de setembro de 2010

23 de setembro de 2010 19h25

PSOL retira candidatura ao Senado para apoiar Paim
Decisão inédita no RS visa a garantir eleição do petista para defender aposentados

Alexandre Haubrich, iG Porto Alegre

Deixando de lado divergências partidárias, a executiva estadual do PSOL anunciou nesta quinta-feira que passará a indicar voto para o Senado no petista Paulo Paim. Em uma decisão inédita no Rio Grande do Sul, a candidatura do professor Luiz Carlos Lucas será retirada, e o partido apoiará, além de sua candidata Berna Menezes, o senador Paim.

Preocupados com as pesquisas que tem indicado a possibilidade de Ana Amélia Lemos (PP) e Germano Rigotto (PMDB) serem os dois candidatos eleitos, Paim e PSOL vinham conversando nos últimos dias sobre a possibilidade que agora se concretiza.

O PSOL resolveu apoiar Paim para que, junto com Luciana Genro, candidata do partido a deputada federal, o senador possa defender três pontos fundamentais: o fim do fator previdenciário, o reajuste das aposentadorias vinculado ao salário mínimo, e propostas contrárias aos “futuros ataques à previdência”, que, segundo o partido, se avizinham com as discussões sobre a reforma previdenciária.

A decisão foi tomada com votação na diretoria, hoje pela manhã, e decidida com 10 votos favoráveis e um contrário. Pedro Ruas, candidato do PSOL ao Piratini, anunciou a decisão, ressaltando que, apesar de algumas divergências com Paim, “nessa circunstância, com as candidaturas da direita ameaçando tomar um mandato que nós consideramos importante, e com o apoio e a total concordância do professor Lucas, resolvemos chamar o segundo voto do PSOL para o senador Paulo Paim”. Disse ainda que é uma postura “de extrema responsabilidade” e “absolutamente necessária”.

Participaram do anúncio o presidente estadual do PSOL, Roberto Robaina, o professor Lucas, a candidata ao Senado Berna Menezes e a deputada Luciana Genro, além de Pedro Ruas e do senador Paulo Paim.

O partido não ajudará na campanha de Paim diretamente, mas passa, agora, a indicar o voto no petista, ao mesmo tempo em que seguem normalmente as campanhas por Plínio de Arruda, Pedro Ruas, Berna Menezes, e pelos candidatos do partido a deputado federal e estadual.