Luciana Genro

Notícias de Brasília

26 de maio de 2010 10h28

Manobra contra o piso dos policiais: A semana começou tensa, com a disputa em torno da votação ou não da PEC 300. Depois do fiasco da semana passada, promovido pelo presidente interino Marco Maia, o presidente Michel Temer resolveu criar uma comissão para analisar o texto da PEC. Na verdade o objetivo é convencer a categoria a aceitar a retirada do valor do piso do texto. Pelo que pude perceber há uma certa divisão nas lideranças a respeito do tema. Estive com os dirigentes da ABAMF e o presidente Leonel Lucas me pediu que não aceite a retirada do valor do piso. Assim vou proceder. Mas a manobra está em andamento.

Precisamos de mais segurança nas estradas, para isso, mais policiais rodoviários no RS: Depois de muito esforço foi aprovada a MP 479/09, que fez diversos ajustes nas leis de carreiras do Executivo. Uma das mudanças importantes foi a permissão para que servidores recém ingressados na Polícia Rodoviária Federal possam ser removidos antes de cumprido os três anos de estágio probatório. Já foram gastos mais de R$ 2 milhões com diárias de viagens para servidores que cobrem temporariamente déficits de pessoal. O RS é um dos mais atingidos. Agora também vai ser possível chamar os excedentes do último concurso, que estavam lutando pela nomeação.

Bancada do agronegócio não quer desapropriação de áreas com trabalho escravo: Vamos intensificar a pressão para que seja colocada na pauta a PEC que determina a desapropriação de áreas onde seja encontrado trabalho escravo. Embora já tenha sido aprovada em primeiro turno, ela enfrenta resistências grandes dos parlamentares ligados ao agronegócio. Dados do Ministério do Trabalho indicam que quase 4 mil pessoas foram resgatadas em situação de trabalho escravo em 2009. O senador José Nery, do PSOL/PA, está à frente dessa luta.

Segue a expectativa em torno do veto do presidente Lula ao reajuste dos aposentados e ao fim do fator previdenciário. O ministro Paulo Bernardo defende não só o veto ao fim do fator mas também ao reajuste de 7,7%. Ele propõe que seja dado um abono de 6,14% e que a MP seja vetada na íntegra. Lula ainda não decidiu, mas parece muito confiante nos altos índices que a sua candidata Dilma tem obtido nas pesquisas. Aposentados vão ter que dar o troco nas eleições!!