Luciana Genro

Fim do fator previdenciário não quebra o Brasil!

07 de maio de 2010 12h01

Com a aprovação do fim do fator previdenciário, em votação na Câmara na noite de terça-feira, voltou-se a falar do famoso déficit da Previdência. Uma grande mentira. A seguridade social é superavitária. O que acontece é que o governo retira recursos da seguridade para repassar a outros órgãos. No primeiro semestre de 2009 o superávit foi de R$ 20 bilhões. Em 9 anos foram retirados da seguridade mais de R$ 114 bilhões. Isso sem considerar a DRU. Esse mecanismo permite que o governo desvie 20% da receita da seguridade para outros fins, por exemplo, para o pagamento da dívida pública. Sem a DRU o superávit da seguridade entre 2000 e  2007 teria sido de R$ 400 bilhões. A seguridade é composta pelas contribuições dos trabalhadores e aposentados e por outras constribuições, como a COFINS e a CSLL, pagas pelas empresas. Mas o governo e os economistas neoliberais omitem essa informação, como se o cálculo devesse ser feito só com as contribuições das pessoas. Por isso falam em déficit. O problema do Brasil não são os aposentados, mas sim a dívida pública, que consome 36% do orçamento do país. Isso sim está quebrando o Brasil. Quando falam em responsabilidade fiscal não mencionam esse grave problema, sempre querendo colocar nas costas do trabalhador os problemas financeiros, arrochando salários e aposentadorias. O fator previdenciário fez o governo economizar R$ 10 bilhões em 10 anos, portanto custa R$ 1 bi/ano. Portanto o fim desse mecanismo perverso que faz quem se aposenta perder poder aquisitivo não vai quebrar o Brasil, vai sim é movimentar a economia pois esse dinheiro em circulação será muito útil para o Brasil. Não se enganem com falsos discursos dos que estão interessados em seguir transferindo renda dos trabalhadores e aposentados para o mercado financeiro e os especuladores!

Leia também: Denise Gentil denuncia em tese de doutorado a falsa crise da Previdência Social no país