Luciana Genro

Dívida interna é de R$ 2,04 trilhões

11 de maio de 2010 15h06

Hoje está sendo votado o relatório final da CPI da Dívida Pública, proposta pelo PSOL, cujo integrante foi o Deputado Ivan Valente. Com maioria governista e direitista, não se pode esperar nada do relatório. Mas o trabalho foi bastante produtivo e contou com a colaboração de Maria Lúcia Fatorelli, uma das coordenadoras do Movimento Auditoria Cidadã da Dívida/Rede Jubileu Sul. Ela também trabalhou na auditoria da dívida patrocinada pelo governo do Equador, que resultou na anulação de grande parte da dívida daquele país.

O Movimento Auditoria Cidadã produziu um ótimo documento sobre as conclusões da CPI da Dívida, que todos podem acessar no site www.divida-auditoriacidada.org.br. Vale a pena reproduzir aqui algumas informações:

Em 31/12/09 a dívida interna atingiu a marca de R$2,04 TRILHÕES. Ela cresce a medida que a taxa de juros do país sobe, e quem define esta taxa é o COPOM – Comitê de Política Monetária, ligado ao Banco Central do Brasil. A  CPI apurou que os membros do COPOM, que definem a taxa de juros, realizam reuniões com “analistas independentes” para definir a taxa, mas em sua imensa maioria eles são representantes dos segmentos financeiros diretamente interessados nas altas taxas. A CPI também demonstrou que a maior parte dessas autoridades foi trabalhar no setor financeiro privado após deixar o Banco Central . Outras conclusões desenvolvidas no documento:

-Falta de justificativa objetiva na definição das taxas de juros, argumentos insustentáveis.

– Danos à economia real.

– Sacrifícios aos Estados e municípios.

– Políticas monetária e cambial equivocadas.

– Prejuízos ao Banco Central.

– Indícios de ilegalidades.