Luciana Genro

Zero Hora, 11 de fevereiro de 2010

11 de fevereiro de 2010 10h54

MORTE DE CAVALCANTE
Polícia e MP divergem sobre caso

Sobre uma prateleira da Promotoria de Justiça de Brasília, 537 páginas resumem os últimos dias de vida de Marcelo Cavalcante.

Prestes a completar um ano, a morte do ex-representante do governo do Estado em Brasília segue envolta em mistério. Enquanto a Polícia Civil pretende concluir o inquérito apontando para um suicídio, o Ministério Público deseja estender as investigações.

O corpo de Cavalcante foi encontrado no Lago Paranoá no dia 17 de fevereiro de 2009. Para a polícia, os 22 depoimentos coletados são suficientes para encerrar o caso. Desde setembro, a polícia não realiza novas diligências. Alguns documentos sobre a movimentação fiscal e financeira de Cavalcante sequer foram incluídos nos volumes. Para o promotor Marcelo Leite, ainda faltam provas contundentes para que se confirme a tese de que Cavalcante tenha colocado fim à própria vida:

– O inquérito só vai se esgotar quando não tivermos mais dúvidas a esclarecer. Ainda não tenho como afirmar que foi suicídio.

Embora não haja um laudo conclusivo do Instituto Médico Legal (IML) sobre a causa da morte, a delegada Naice Landim, quarta autoridade a assumir o inquérito, sustenta que Cavalcante teria morrido por afogamento ao se jogar da ponte.

– Deduzimos que as questões familiares tenham levado ao suicídio, mas sem que ninguém tenha contribuído para o fato – diz a delegada.

IARA LEMOS | Brasília

Entenda o caso
– Em 17 de fevereiro de 2009, o corpo do ex-representante do Estado em Brasília Marcelo Cavalcante foi encontrado no Lago Paranoá. Cavalcante foi um dos principais assessores da governadora Yeda Crusius.
– Quase um ano depois da morte de Cavalcante, não há um laudo conclusivo do Instituto Médico Legal (IML) sobre o que ocorreu com ele.
– Cavalcante foi um dos personagens de escândalos no governo Yeda Crusius. Em junho de 2008, ele perdeu o emprego depois que umgrampo registrou uma conversa dele com Lair Ferst, personagem ligado ao PSDB.