Luciana Genro

Zero Hora, 9 de dezembro de 2009

09 de dezembro de 2009 09h37

NOVO ROUND
PSOL questiona compra de casa por filha de Yeda

Mais uma vez, um imóvel coloca o Palácio Piratini e a oposição em pé de guerra. Agora, o PSOL mira numa casa comprada em junho pela filha da governadora Yeda Crusius, a psicóloga Tarsila Crusius, por R$ 310 mil.

O presidente do PSOL, Roberto Robaina, o vereador Pedro Ruas e a deputada federal Luciana Genro levantaram ontem suspeitas sobre a residência localizada em condomínio na zona sul da Capital. Segundo Ruas, Tarsila não teria renda para honrar o compromisso. Desde o início do mandato de Yeda, a filha exerce função não remunerada como presidente do Comitê de Ação Solidária.

Os líderes do PSOL exibiram a certidão do registro de imóveis para sustentar a denúncia. Segundo o documento, houve uma entrada de R$ 150 mil para a compra da casa. O restante, R$ 160 mil, foi parcelado: três parcelas de R$ 20 mil, duas de R$ 15 mil e outras 10 de R$ 7 mil. A quitação está prevista para agosto de 2010.

Ruas sustenta que a compra não foi paga por Tarsila, mas disse não conhecer a identidade do responsável por desembolsar os recursos.

A psicóloga tem uma loja de roupas no bairro Moinhos de Vento e, segundo o PSOL, não vendeu bens para financiar a casa.

O PSOL informou que vai encaminhar a denúncia ao Ministério Público de Contas.

Advogado diz que suspeitas do PSOL são “levianas”

O advogado da governadora, Fábio Medina Osório, classificou como levianas as acusações do PSOL. Medina disse que Tarsila vai mover ação indenizatória por danos morais contra os líderes da sigla.

Segundo Medina, a filha da governadora “tomou empréstimos para efetuar a negociação”:

– Minha cliente é uma empresária, tem uma evolução patrimonial tranquila e rendimentos acumulados. A compra será registrada no Imposto de Renda.

O advogado afirmou ainda que as informações sobre o negócio serão prestadas no momento e na esfera oportunas. Medina diz que cabe aos acusadores mostrarem provas de irregularidades.

ROSANE DE OLIVEIRA

Usina de denúncias

Reprodução

Reprodução

Menos de um ano depois de terem anunciado a existência de “vídeos com qualidade de cinema” que nunca apareceram, a deputada Luciana Genro, o vereador Pedro Ruas e o presidente do PSOL, Roberto Robaina, não perderam o ímpeto denuncista.

Ontem, o PSOL distribuiu nota com o título “PSOL faz novas revelações sobre corrupção no governo gaúcho”, convidando a imprensa para uma entrevista coletiva.

Os três sentaram-se lado a lado na sede do PSOL e cobraram explicações sobre a compra de uma casa de R$ 310 mil pela filha da governadora, a psicóloga Tarsila Crusius. Questionaram a capacidade de Tarsila para comprar o imóvel, já que ela não teria renda para tanto, mas recuaram quando perguntados sobre quais seriam os indícios de irregularidades na compra do imóvel. Disseram apenas que vão pedir investigação ao Ministério Público de Contas.

Fura-bolha

Para não criar constrangimentos à mãe, que é pessoa pública e certamente será cobrada pelos eleitores, Tarsila Crusius pode matar a denúncia do PSOL na origem, explicando, sem rodeios, como comprou a casa.

Antes que vire bola de neve.

Questão familiar

O Piratini decidiu não responder à cobrança do PSOL para que Yeda explique a compra da casa da filha.

Conselheiros da governadora entenderam que se trata de questão familiar e que ela não tem por que responder pelos atos e negócios de uma filha de 40 anos.

!
Como só apresentaram prova da compra da casa, mas não de que a operação foi irregular, os líderes do PSOL correm o risco de processo judicial.