Luciana Genro

Retratos da Fronteira: Livramento pede socorrro

02 de outubro de 2009 09h46

A convite do companheiro Rogério Benitez, nosso pré-candidato a deputado federal, estive ontem em Santana do Livramento, acompanhada do presidente estadual do PSOL, Roberto Robaina. Ficamos chocados com o abandono que vive a cidade. Depois de visitar o MPF, para saber da situação das denúncias de corrupção na administração anterior da Santa Casa local, estivemos com o vice-prefeito, colocando nosso mandato à disposição para apresentar uma emenda ao orçamento de 2010 no valor de 500 mil reais, na área em que a prefeitura desejar. Mas foi na terceira agenda que tivemos um grande choque. Em uma reunião com os alunos da UERGS, segundo semestre do curso de técnico em agroindústria, eles nos contaram que a UERGS em Livramento se resume a UM ÚNICO PROFESSOR! Eles já haviam deixado para trás uma das cadeiras do primeiro semestre, por falta de professor qualificado a ministrá-la e agora um único mestre leciona 3 cadeiras diferentes, e outras 3 estão para trás por falta de professor. Esse professor, que é o único da universidade, é também o diretor do Pólo da UERGS em Livramento. Os demais cursos que existiam, como o de fruticultura, foram encerrados, e agora no único curso existente um único professor leciona. Faltam computadores, laboratórios, a biblioteca é deficiente. Os alunos pedem socorro através de uma carta dirigida a mim onde dizem que a “universidade está passando por um período muito difícil e realmente deprimente e desestimulador”. Eu sabia que a UERGS vem sendo paulatinamente desmontada pelo governo, mas a situação em Livramento é desesperadora. Vou levar o caso à Comissão de Educação da Assembleia Legislativa, solicitando que eles façam uma audiência pública com a presença dos alunos.

Se na educação a situação é crítica, na saúde não é nada melhor. Nossa agenda seguinte foi na  Santa Casa, onde  o desespero também está batendo, na direção do hospital, mas principalmente nos funcionários, que com anos de trabalho estão tendo seus direitos usurpados, sem o pagamento integral de salários, sem depósito do fundo de garantia e pagamento do INSS. Endividado, fruto de desvios e má administração, o hospital está quebrado e pode fechar suas portas a qualquer momento. O governo do Estado só enrola. A única saída  é a federalização, bandeira defendida pelo nosso companheiro Benitez, que foi perseguido e demitido pelos administradores anteriores, e que conseguiu na justiça a sua reintegração.

Esses são retratos da fronteira, exemplos do abandono, descaso e omissão dos governos estadual e federal com uma das regiões mais pobres e que mais necessita de atenção do poder público. Quem sofre as consequências é a população que precisa da educação pública, da saúde pública, do emprego, mas não consegue. Mas não desisite, segue lutando!