Luciana Genro

Revista Voto está com Yeda

12 de agosto de 2009 23h59

Leiam a carta que enviei ao editor e à diretora-executiva da Revista Voto:

“Prezados Emanuel e Karim,

Fiquei estarrecida ao ver o novo número da Revista Voto. Sempre soube que a revista tinha preferência pelo lado tucano-peemedebista, mas desta vez vocês passaram dos limites. A ‘maior crise política’ do Rio Grande do Sul, na definição da própria revista, mereceu a cobertura de uma pobre e mal redigida matéria de uma página. Em um texto digno de um estudante de primeiro semestre de Jornalismo, as únicas aspas são da Yeda e do advogado dela, Fábio Medina Osório, enquanto o PSOL, um dos protagonistas mais importantes para a exposição da crise, não existe. Aliás, em outro número vocês já tinham posto numa das coluninhas um comentário mentiroso a meu respeito. Neste número, a análise (???) da crise é totalmente a favor de Yeda. A própria capa da revista é escandalosa, pois tenta abafar a crise com um suposto ‘início’ da corrida eleitoral. E as pesquisas do Datafolha? E os lançamentos de pré-candidatos? Esqueceram-se disso tudo? Parece que sim. Na ‘operação abafa’ da crise, sobrou mais uma para o PSOL. O pré-candidato do partido (lançado dia 12 de julho, caso vocês não tenham lido nos jornais diários), vereador Pedro Ruas, foi excluído da pesquisa. O arremate patético ficou por conta das 7 (!!!) páginas para o ex-senador Paulo Brossard. Com todo o respeito pelo valor arqueológico da ilustre figura, enquanto o PSOL só existe na coluna do “boy George” como alvo de ataques, o ex-senador recebe 7 páginas para falar do passado. É incrível. Mas tudo bem. Quanto à exclusão do Ruas da pesquisa, vamos resolver com um processo judicial. De resto, não será difícil mostrar aos leitores que a revista gosta mesmo é da Yeda e da quadrilha que há tempos saqueia os cofres públicos na mesma velocidade em que deixa a gripe suína tomar conta do Estado. Aliás, assunto que também ficou fora da pauta. Parece até ironia.

Saudações,

Luciana Genro”