Luciana Genro

Zero Hora, 15 de junho de 2009

15 de junho de 2009 11h57

CRISE NO PIRATINI

Em busca das 20 mil assinaturas

Marcelo Alves, Divulgação

Marcelo Alves, Divulgação

Num dia ensolarado em pleno feriadão, deputados de PT e PC do B montaram ontem uma banca de coleta de apoios à CPI da Corrupção, no Brique da Redenção. O objetivo é conseguir pelo menos 20 mil assinaturas de gaúchos num abaixo-assinado para pressionar parlamentares contrários à comissão a assinarem o requerimento que cria a CPI na Assembleia Legislativa.

No domingo, coube a Raul Pont, Stela Farias, ambos do PT, e a Raul Carrion (PC do B) conversar com porto-alegrenses no tradicional ponto de encontro de quem mora na Capital. Militantes, sindicalistas e servidores também participaram da mobilização. Os vereadores Pedro Ruas e Fernanda Melchionna, do PSOL (na foto), também assinaram o requerimento.

A oposição tem desde a semana passada coletado assinaturas e gravado vídeos de cidadãos que mandam recados ao Legislativo.

ROSANE DE OLIVEIRA

Sem trégua

A campanha que a Central Única dos Trabalhadores está veiculando em rádio e TV desde sexta-feira, defendendo a criação de CPI na Assembleia Legislativa, é um dos mais pesados ataques já desferidos contra o governo de Yeda Crusius. Com depoimentos de pessoas aparentemente comuns levantando suspeitas contra o governo, a CUT tenta convencer os deputados que ainda não assinaram o requerimento de criação da CPI a aderirem à proposta.

Na primeira fase da campanha criada pela agência D-3 foram investidos R$ 80 mil, segundo o presidente da CUT, Celso Woyciechowski. O custo da veiculação é dividido com federações de trabalhadores filiadas à central sindical. As inserções na TV terminam nesta segunda-feira, mas as de rádio continuam. Hoje também está sendo publicado a pedido nos jornais.

A próxima etapa da campanha vai depender dos desdobramentos políticos. Enquanto a CUT investe na campanha publicitária, o PT segue coletando assinaturas de eleitores, num esforço para tentar convencer os deputados pela pressão popular. A deputada Stela Farias acredita que em quatro horas foram recolhidas ontem pelo menos mil assinaturas no Brique da Redenção.

Em outra frente, o PSOL defende o impeachment da governadora, embora sem provas da existência de crime de responsabilidade, que justificaria o afastamento. A grande aposta do partido de Luciana Genro é o Ministério Público Federal, que deve apresentar até o final do mês as conclusões das investigações que continuou fazendo depois de denunciar à Justiça Federal os envolvidos na fraude do Detran.