Luciana Genro

Jornal do Comércio, 19 de junho de 2009

19 de junho de 2009 14h25

Protesto de servidores pede impeachment da governadora

Centrais sindicais, movimentos sociais e estudantis e o Fórum dos Servidores Públicos realizaram na manhã desta quinta-feira , em Porto Alegre, um ato público estadual pelo impeachment da governadora Yeda Crusius (PSDB). O protesto começou em frente ao Ministério Público Federal (MPF) e seguiu em direção ao Palácio Piratini, passando pelas ruas Mauá, Borges de Medeiros e Jerônimo Coelho.

No final da caminhada, 30 manifestantes tentaram lavar a calçada do Palácio, mas foram impedidos pelo cordão de isolamento montado por policiais militares. O grupo recuou, mas não desistiu do ato. Com vassouras e baldes com água, os manifestantes optaram por varrer a parte da pista de veículos e a calçada entre a sede do governo do Estado e a Assembléia Legislativa.

Dos deputados estaduais, foi cobrada a instalação da CPI da Corrupção. O s manifestantes argumentavam que pesquisa do Instituto Datafolha aponta que 57% da população gaúcha entendem que o governo Yeda está envolvido em corrupção. Destes, 70% querem o afastamento da governadora e 80% acham necessária a instalação da CPI.

” A CPI é uma forma de se averiguarem as irregularidades apontadas no governo Yeda”, destacou a presidente do Cpers, Rejane de Oliveira, que falou em nome do Fórum dos Servidores Públicos. A escolha do MPF para o início da caminhada foi para simbolizar a expectativa dos manifestantes quanto à conclusão da investigação sobre o possível envolvimento de membros do Executivo gaúcho em corrupção.

Em fevereiro deste ano, lideranças do P-Sol acusaram a governadora de ter usado recursos de caixa-2 para pagar parte da aquisição de um imóvel em 2006, mas não apresentaram as gravações que disseram ter visto. Dirigentes do PSDB negaram as acusações. O Ministério Público Estadual arquivou o processo sobre a casa de Yeda. Desde então, sindicalistas e estudantes organizaram uma série de protestos contra a governadora.

Na Assembleia, a oposição se mobilizou para criar uma CPI, mas até agora só conseguiu 17 das 19 assinaturas necessárias. Nesta sexta, às 16h, deputados da oposição se reúnem com o senador Pedro Simon (PMDB) em Porto Alegre para discutir a criação da CPI e tentar o apoio da bancada peemedebista.