Luciana Genro

Zero Hora, 6 de maio de 2009

06 de maio de 2009 17h08

HPS em alerta contra bactéria

Um ano após mobilizar as autoridades de saúde pública da Capital, uma bactéria mostra que veio para ficar nas UTIs e enfermarias da cidade. Ontem, o Hospital de Pronto Socorro (HPS) revelou que tem 17 pacientes infectados pela Acinetobacter sp. A instituição afirma que o problema está controlado e não foge da realidade de outros hospitais.

Em março passado, a UTI de trauma do HPS – com 12 vagas – foi interditada após sete pacientes terem sido contaminados. Dois receberam tratamento e ganharam alta, e outro morreu. A Secretaria Municipal da Saúde garantiu que a causa da morte não foi a bactéria, mas as demais complicações. Ontem, o hospital falou sobre o assunto em reunião solicitada pelo médico e suplente de vereador pelo PSOL Lucio Barcelos.

Quem o atendeu foi a médica infectologista Isabela Osório de Freitas. Ela afirmou que, dos 17 pacientes com a Acinetobacter sp, 11 estão na enfermaria do setor de neurologia. Esse grupo está isolado, sendo atendido por profissionais que evitam contato com os demais para não contaminá-los. Ela afirma que a situação exige cuidado, mas não é grave:

– Não existe surto. A questão está sob controle, podemos dizer até que há tranquilidade. Claro, sempre há risco. Essa bactéria não será mais erradicada dos hospitais, ela sempre estará presente, deve ser é controlada.