Luciana Genro

Escolas abertas, atraso de salários no IPA e fechamento da escola Alberto Bins pautam reunião da comissão de Educação

26 de fevereiro de 2019 17h32

Diretor da Escola de Ensino Fundamental Ayrton Senna, Adroaldo Ramos (E), falou sobre as demandas da escola aberta

Escolas abertas, professores em greve no IPA e fechamento da escola Alberto Bins pautaram a segunda reunião da Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia, da qual a deputada estadual Luciana Genro é uma das titulares. A reunião aconteceu nesta terça-feira (26/02) na Sala Prof. Salzano Vieira da Cunha, no Parlamento gaúcho.

Foram explicitadas as situações das escolas abertas – que desde os anos 1980 recebem alunos ao longo do ano, sem férias e principalmente estudantes em situação de vulnerabilidade social encaminhados via Ministério Público e Conselho Tutelar.

O diretor da Escola de Ensino Fundamental Ayrton Senna, Adroaldo Ramos, fez um pedido para que a escola receba mais investimentos e ganhe a atenção do poder público porque a escola é um dos únicos espaços que acolhem, alimentam e estão sempre à disposição da população. Outra escola aberta debatida foi a Vila Cruzeiro do Sul, onde há um impasse com relação ao prédio ocupado pelo colégio.

— A comunidade escolar está mobilizada porque está sentindo sua escola ameaçada e nós aguardamos uma resposta do Estado para tranquiliza-la por essa movimentação do Estado que parece em querer fechá-las. Nós queremos o fortalecimento e a manutenção dessas escolas  — destacou a deputada Luciana Genro, cobrando também uma abertura de diálogo com relação ao calendário escolar que não permite atividades letivas aos sábados, um dos únicos dias em que os pais e responsáveis dos estudantes podem estar pessoalmente na escola.

Fechamento da escola Alberto Bins

Outra situação debatida foi o fechamento da Escola Alberto Bins, que atendia a comunidade da região da Cruzeiro e foi forçada a encerrar suas atividades desenvolvidas ao longo de 50 anos ainda no governo de Sartori. Bruna Rodrigues e Adélia Maciel, representantes da comunidade, apresentaram a situação dos alunos, remanejados para escolas que não conseguem atendê-los satisfatoriamente e também sobre o impasse a quem pertence o prédio, sem uso desde o fechamento da escola.

Bruna Rodrigues e Adélia Maciel entregaram as demandas da Escola Alberto Bins

A diretora Ivana Genrro, representante da Secretaria Estadual de Educação, esteve presente na reunião e foi cobrada a trazer respostas para a situação das duas escolas abertas, além do encaminhamento para saber em qual situação se encontra o prédio da escola Alberto Bins.

Professores em greve no IPA

Outro ponto debatido na reunião foram os atrasos de salários, de 13º e de férias dos professores do IPA – Centro Universitário Metodista, de Porto Alegre. A realidade está afetando os docentes há pelo menos dois anos e foi apresentada aos deputados pelo diretor do Sinpro/RS, Marcos Fuhr, pelo professor César Filomena e pelo universitário Evander Cordeiro.

Leia o manifesto dos professores do IPA

Fuhr destacou que não foram abertas turmas de primeiro semestre em 18 cursos e os dois mestrados oferecidos pela instituição também foram encerrados. Além disso, foram cortadas as atividades de extensão voltadas à comunidade como o programa para desporto para pessoas com deficiência e a clínica integrada de atendimento na área da saúde.

Professores do IPA também participaram da reunião da Comissão de Educação desta terça

Os professores entregaram ainda um manifesto aos deputados presentes na reunião, onde denunciam a gestão temerária do IPA, a falta de diálogo e comprometimento dos gestores com os professores e com as especificidades do IPA e do ensino no Rio Grande do Sul.

A deputada estadual Luciana Genro manifestou seu apoio aos professores que estão em greve desde a semana passada, bem como aos universitários que se posicionam ao lado dos docentes nesta luta. Por meio da comissão, será solicitada uma audiência pública para que a direção do IPA manifeste-se sobre os atrasos salariais e o fechamento de turmas e cursos. O IPA faz parte da história do Rio Grande do Sul e de Porto Alegre e é inaceitável que trate seus professores e alunos desta forma!