Luciana Genro

2019: em 34 dias, 126 feminicídios

06 de fevereiro de 2019 10h23

2019 só começou e os números da violência contra as mulheres já são alarmantes!

Um levantamento realizado pelo professor Jefferson Nascimento apresenta um número alarmante: desde o início do ano até o dia 03 de fevereiro pelo menos 193 mulheres foram mortas ou sofreram tentativas de assassinato por serem mulheres. Em 34 dias, 126 feminicídios foram consumados e houve outras 67 tentativas com múltiplas vítimas. Os números infelizmente não surpreendem. O Brasil segue sendo o 5º país com o maior número registrado de mortes de mulheres, sendo o primeiro da América Latina. A partir deste último levantamento se pode afirmar que a cada 4 horas uma mulher sofre uma tentativa de assassinato no Brasil.

No estado do Rio Grande do Sul foram pelo menos nove vítimas: 4 consumadas e mais 5 tentativas de assassinato. Chama a atenção os requintes de crueldade dos crimes: há vítimas que foram estranguladas, esfaqueadas, sofreram golpes de pedra e machado, tiros e pelo menos uma ainda encontra-se em estado grave no hospital. Estes números tendem a aumentar com a divulgação das estatísticas oficiais, algo que só deve acontecer no final do ano, quando temos acesso aos relatórios mês a mês. O último levantamento divulgado pela Secretaria de Segurança Pública do RS já demonstra um aumento de 41% nos crimes de feminícidio no último ano. O ranking das cidades mais violentas para as mulheres no RS é encabeçado por Porto Alegre, seguido de Caxias do Sul, Passo Fundo, Pelotas, Santa Maria, São Leopoldo, Gravataí, Rio Grande, Alvorada, Viamão, Vacaria e Canoas. Foram nestas cidades que ocorrem 51% dos crimes de feminicídio (tentado e consumado) no ano de 2018.

É urgente que a sociedade enfrente todas as formas de violência contra as mulheres, não naturalize as relações violentas e abusivas e que o poder público crie mecanismos de prevenção e de combate a esse tipo de violência para que as mulheres deixem de ser vítimas de crimes tão brutais.

Mapa: http://bit.ly/2sdEJYo 
Fontes: http://bit.ly/2scxsI0
Crédito da imagem: Minha Porto Alegre