Luciana Genro

Faltam 120 mil vagas na educação infantil no Rio Grande do Sul

07 de dezembro de 2018 10h09

Por Luciana Genro

Enquanto a nova ministra Damares Alves diz que “gravidez é um problema que só dura 9 meses”, a realidade é bem diferente. A sociedade estimula as mulheres a serem mães mas o poder público pouco apoia aquelas que necessitam. O caso da falta de creches é exemplo claro das dificuldades enfrentadas pelas mães

Um levantamento do Tribunal de Contas do Estado aponta que faltam 120 mil vagas na rede de educação infantil do Rio Grande do Sul. A situação é mais grave nos municípios maiores. Em Porto Alegre, são necessárias 13.221 vagas – 6.757 em creches, que atendem crianças de 0 a 3 anos, e 6.464 em pré-escolas, que recebem crianças de 4 a 5 anos. A reação da prefeitura ao estudo foi desastrosa, afirmando não ter conhecimento destes números.
Muito embora o Estado tenha melhorado seus índices nos últimos dez anos, passando de 19º para 4º no ranking nacional de atendimento na educação infantil, a dimensão do déficit de vagas ainda é alarmante. São necessárias 80.867 vagas em creches e 40.384 em pré-escolas. A rede de educação infantil é fundamental para o desenvolvimento cognitivo e o cuidado das nossas crianças. E também para assegurar às mães o direito ao trabalho.