Luciana Genro

Pink vagina

05 de julho de 2018 18h03

Artigo originalmente publicado no site do jornal Folha de S. Paulo, em 05/07/2018

Pink vagina
Russas que aparecem nas redes sociais em companhia de turistas sofrem perseguição

Mariliz Pereira Jorge*

Um dia antes da abertura da Copa, a líder do Comitê para as Famílias do Parlamento russo, Tamara Pletnyova, pediu que as russas não fizessem sexo com estrangeiros que não fossem brancos. Ela alega que a “medida” pode evitar que elas sejam abandonadas e se tornem mães solteiras de filhos mestiços.

Ao ler uma barbaridade dessa, você imagina que se trata de um lampejo de xenofobia individual. Mas não. Nesta semana, a BBC noticiou que as mulheres que têm aparecido nas redes sociais em companhia de turistas estão sendo perseguidas por grupos de extrema direita.

Quando os vídeos em que russas foram humilhadas por brasileiros viralizaram, houve quem dissesse que elas jamais saberiam o que tinha acontecido e que não sofreriam consequência por causa das “brincadeiras”.

Esquecem-se de que a internet tornou o mundo um quintal ainda menor do que já era e que nem a barreira da língua impede que as notícias, principalmente as más, se espalhem com velocidade assustadora. Segundo a reportagem, as vítimas dos torcedores e também outras garotas, que tiveram contato amistoso com estrangeiros, têm sido alvo de insultos, de ameaças de violência física e até de morte. “Vou cortar seu útero”, diz uma das mensagens.

A garota que aparece cercada pelos brasileiros teve a vida vasculhada, foi culpada pelo abuso que sofreu e acusada de envergonhar seus compatriotas. Para se proteger, apagou a sua página da VKontakte, rede social russa, com 30 milhões de usuários. Mas a essa altura do campeonato todos sabem quem ela é.

Os ataques têm partido de vários grupos, alguns que se autodenominaram The Pink Vagina Group, em alusão ao episódio que envolveu nossos torcedores. Para quem tinha alguma dúvida da estupidez do machismo tupiniquim, essas garotas estão sendo punidas pela segunda vez, pelo machismo violento e pela xenofobia dos russos, que tem feito também várias outras vítimas.

*Mariliz Pereira Jorge
Jornalista e roteirista de TV.