Luciana Genro

Em reunião com Sindisaúde-RS, Robaina ouviu denúncias de corrupção nas terceirizações na saúde

09 de julho de 2018 17h30

Foto: Marino Mondek

As denúncias envolvendo as terceirizações na área da saúde em diversas cidades do Estado não param de chegar. Tais contratos são prejudiciais à população, que não recebe um tratamento adequado e não vê os investimentos públicos corretamente aplicados em seu benefício, e também aos cofres públicos.

Recentemente, no dia 4 de julho, o vereador de Porto Alegre e pré-candidato a Governador pelo PSOL, Roberto Robaina foi até o Sindisaúde-RS, onde foi recebido pelo presidente Arlindo Nelson Ritter, pelo vice-presidente Júlio Appel, e demais membros da diretoria sindical, para debater sobre a questão.

O encontro serviu para que Robaina pudesse conhecer mais detalhes sobre os casos de corrupção registrados em contratos de empresas terceirizadas junto ao poder público no RS. Ao invés de fortalecerem os atendimentos na área, os contratos
acabam servindo como cabide de empregos para caciques políticos, como em casos já denunciados em Triunfo e Canoas, por exemplo, onde o dinheiro público é usado para contratar apadrinhados políticos e até funcionários fantasmas ao invés de
ser aplicado corretamente para beneficiar a população.

As fundações de saúde também têm registros de corrupção. Mesmo já sendo consideradas inconstitucionais pela Justiça, elas seguem gerindo a saúde em diversos municípios gaúchos. As denúncias se tornaram públicas através de reportagem do jornalista Giovani Griozotti, exibida no Fantástico, em junho.

“Vim dialogar com o sindicato, pois eles vêm denunciando diversos esquemas nas terceirizações há bastante tempo. Foi através da luta deles que foi revertida a terceirização no Grupo Hospitalar Conceição (GHC), extremamente prejudicial para aquela casa de saúde”, afirmou Robaina.

Além disso, na conversa, Robaina pôde ouvir o que os profissionais de saúde pensam para a saúde do Estado do Rio Grande do Sul, já que conhecem, de perto, a realidade e as necessidades da população.

“O principal ponto em comum durante o diálogo foi a importância de se investir em um modelo de saúde, que priorize a atenção básica e que combata essas terceirizações, que não são benéficas nem para a população, e nem para os cofres públicos”, disse Robaina que compreendeu a preocupação dos trabalhadores com outros municípios com registros dessas fraudes, como o caso de Canoas.

Para os trabalhadores do Sindisaúde-RS, há um desmonte cada vez maior do SUS. O sindicato denuncia a redução do número de trabalhadores, especialmente na estratégia de saúde da família, ocasionado a falta de prevenção na saúde primária e o maior gasto do Estado para tratar o paciente posteriormente. Além disso, a população não consegue solução nem pelos planos de saúde, de difícil acesso por causa dos altos preços cobrados.

Robaina se colocou à disposição para encaminhar as denúncias do sindicato, além de comprometer-se a cobrar providências na tribuna do Legislativo de Porto Alegre. Durante a campanha, Robaina cobrará que os outros candidatos ao governo do RS se posicionem sobre o tema, para que a população e os demais profissionais da saúde conheçam suas propostas.

Participaram da conversa, além do presidente e vice-presidente do sindicato, os membros da diretoria Carlos Alexandre, Júlio Duarte, Júlio Gesien, e Marlise Machado.