Luciana Genro

Lanceiros Negros Vivem: Nasce uma nova ocupação urbana no Centro de Porto Alegre

04 de julho de 2017 16h20

Ocupação Lanceiros Negros Vivem abriga 150 famílias no Centro de Porto Alegre | Foto: Samir Oliveira

Por #Equipe50

A Ocupação Lanceiros Negros renasce no Centro de Porto Alegre. Brutalmente despejados pela Brigada Militar no dia 14 de junho, em uma fria noite do inverno gaúcho, os moradores agora ocupam um prédio vazio e sem uso há quase dois anos na Rua dos Andradas. Chamada de “Lanceiros Negros Vivem”, a nova ocupação reúne as 70 famílias que já viviam no antigo endereço, além de outras 80 famílias que estavam no cadastro do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB), que organiza a ação.

Os moradores da Lanceiros Negros estavam desde o dia 14 de novembro em um edifício na esquina das ruas General Câmara e Andrade Neves. De propriedade do governo estadual, o prédio estava totalmente abandonado e sem uso há quase 10 anos. Assim que os moradores ocuparam, o Estado passou a reivindicar o local. Após dois anos de negociações, o governo gaúcho se manteve irredutível em destinar o espaço para moradia popular, garantindo na Justiça o direito de despejar as famílias do edifício.

Vizinhos e entidades que apoiam a ocupação já estão deixando mantimentos e doações | Foto: Samir Oliveira

A ação de reintegração de posse foi feita em uma noite fria e de forma brutal pela Brigada Militar, que utilizou bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha, prendendo diversos integrantes do movimento e detendo o deputado estadual Jeferson Fernandes, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa. Após o despejo, a maioria das famílias acabou se dirigindo à Ocupação Mirabal, na Rua Duque de Caxias, que não tem estrutura para a permanência de um número muito grande de pessoas.

Na madrugada desta terça-feira, 4 de julho, os moradores se dirigiram ao edifício número 885 da Rua dos Andradas, onde funcionada o Hotel Açores. O prédio está desativado há quase dois anos. “Se o governo achava que o despejo truculento iria nos enfraquecer, está enganado. Estamos fortalecidos”, disse um integrante do MBL, durante um ato realizado pelo movimento em frente à nova ocupação nesta terça.

A manifestação de apoio reuniu dezenas de pessoas e contou com a representação de diversos sindicatos, centrais sindicais, movimentos sociais e coletivos políticos. Uma das organizações a prestar apoio é a ONG Themis, que se dedica a combater a violência contra as mulheres. “Somos vizinhas de vocês e apoiamos a ocupação”, assegurou uma representante da entidade.

A Ocupação Lanceiros Negros Vivem está aceitando todo tipo de doação, desde roupas a alimentos. Os mantimentos devem ser encaminhados à nova ocupação, na Rua dos Andradas, 885.