Luciana Genro

Moradores do Petrópolis pedem apoio para preservação do patrimônio histórico do bairro

16 de agosto de 2016 18h49
20160816_181622

Luciana recebeu informações sobre luta dos moradores | Foto: Alvaro Andrade/PSOL

Representantes do movimento Proteja Petrópolis reuniram-se com a candidata Luciana Genro, da coligação “É a vez da Mudança” (PSOL, PPL, PCB), para pedir apoio à preservação de imóveis no bairro, que nos últimos anos tornou-se alvo preferencial das grandes construtoras. A principal demanda é a garantia de homologação do inventário realizado em 2014 por arquitetos e urbanistas, que identificou mais de 300 imóveis com características singulares que devem ser preservados para garantir o bem-estar dos moradores da região e a manutenção da identidade arquitetônica.

Recentemente o grupo entregou abaixo-assinado para a prefeitura com mais de 1,4 mil assinaturas pedindo que a lista inventariada há três anos seja homologada. No entanto, o governo não tomou nenhuma medida, enquanto, em paralelo, tenta aprovar um projeto na Câmara de Vereadores que flexibiliza a tramitação do inventário. A proposta, que tem apoio da base governista, concede um prazo para homologação, que, caso não seja respeitado, acaba por excluir os imóveis da lista e veda a reinclusão dos mesmos, liberando-os para venda, demolição e construção de qualquer outra edificação no terreno. “É uma forma de driblar a lei”, alertou Janete Barbosa, moradora do bairro e que integra o movimento Proteja Petrópolis.

Ela esclareceu que os imóveis inventariados não estão tombados e sim protegidos contra intervenções expressivas na sua estrutura. No entanto, isso não os impede de serem negociados, reformados e utilizados com outros fins além do residencial.

No encontro, o grupo entregou um dossiê de informações à candidata Luciana Genro e pediu que ela estude o assunto para, caso eleita, proceda a homologação do inventário. “O sindicato da construção civil fez um lobby muito forte para passar a impressão de que os imóveis inventariados seriam desvalorizados, quando na verdade o que vai acontecer é o contrário”” explicou Nestor Torelly, que integra o Conselho de Patrimônio Histórico.

Luciana afirmou que vai estudar o tema, mas de antemão já assegurou que tem posição contrária à especulação imobiliária conduzida pelas empreiteiras. “Não há dúvida de que estamos do mesmo lado”, garantiu.