Luciana Genro

Que tipo de prefeito foi Bernie Sanders?

20 de fevereiro de 2016 17h03

*Reportagem de Peter Dreier e Pierre Clavel, originalmente publicada no site The Nation e traduzida por Maíra Mendes.

Em seus oito anos como prefeito de Burlington, Vermont, Bernie Sanders revitalizou a economia e solidificou o apoio às políticas municipais progressistas.

John Davis lembra de uma reunião em 1986, quando Bernie Sanders, então prefeito de Burlington, Vermont, enfrentou os donos do maior conjunto habitacional acessível do município. O programa federal que tinha subsidiado os Northgate Apartments por 20 anos teve uma brecha que permitiu aos proprietários converter os edifícios em rendas de mercado ou condomínios de luxo.

“Bernie bateu com o punho na mesa de conferência em seu escritório e disse aos proprietários: “Você só vai deslocar 336 famílias trabalhadoras por cima do meu cadáver. Você não vai converter Northgate em habitação de luxo”, lembrou Davis, que foi assessor-chave de habitação de Sanders.

Sob a liderança de Sanders, a cidade adotou uma série de leis para abafar os planos dos proprietários. Uma portaria exigiu que proprietários de apartamentos dessem aos moradores aviso prévio de dois anos antes de uma conversão para um condomínio. Outras deram aos residentes um direito de preferência para comprar as unidades e proibiu os proprietários de demolir prédios a menos que fossem substituidos pelo mesmo número de unidades acessíveis. (Estas medidas baixaram o preço de venda do imóvel.) Sanders, em seguida, trabalhou com o governo estadual e o senador Patrick Leahy para obter os US $ 12 milhões necessários para comprar e reabilitar os edifícios. A cidade investiu verbas para ajudar os inquilinos a contratar um organizador, formar a Northgate Residents Association, e iniciar o processo de conversão do complexo em propriedade dos residentes. Hoje, Northgate Apartments é propriedade dos inquilinos e tem restrições de longo-prazo a fim de manter os edifícios acessíveis para as famílias trabalhadoras.

A batalha sobre Northgate Apartments ilustra a abordagem geral de Sanders para governar. Ao abordar esta e muitas outras questões, ele encorajou a organização popular, adotou leis locais para proteger os vulneráveis, desafiou os especuladores empresariais poderosos da cidade, e trabalhou em colaboração com outros políticos para criar uma cidade mais habitável.

Agora que Sanders está concorrendo à presidência, os oito anos que passou como chefe do executivo de Burlington (1981-1989) estarão sob atento escrutínio. Embora o presidente Obama tenha recentemente feito uma piada no jantar da recentemente no jantar da Associação dos Correspondentes da Casa Branca, dizendo que Sanders é um “socialista maconheiro”, ele na realidade foi um prefeito trabalhador, pragmático e eficaz, que ajudou a transformar a maior cidade de Vermont (38.000 habitantes) em uma cidade próspera.

Graças à duradoura influência do clima progressivo que Sanders e seus aliados ajudaram a criar em Burlington, o maior conjunto habitacional da cidade é agora propriedade dos residentes, o seu maior supermercado é uma cooperativa de propriedade dos consumidores, um dos maiores empregadores privados é propriedade dos trabalhadores, e a maioria de sua orla, voltada para o lazer das pessoas, é de propriedade pública. O Departamento Elétrico de Burlington, que é de propriedade pública, anunciou recentemente que Burlington é a primeira cidade americana, considerando um tamanho aceitável, a trabalhar inteiramente com energia renovável.

***
Sanders cresceu no Brooklyn e freqüentou a Universidade de Chicago, onde foi ativo no movimento dos direitos civis. Depois de um curto período vivendo em um kibbutz israelense, em 1964 mudou-se para Vermont, onde trabalhou como carpinteiro, cineasta, escritor e pesquisador, envolvendo-se na política radical. Na década de 1970, após aderir ao Liberty Union Party, Sanders concorreu a vários cargos em todo o estado, incluindo governador, Senado e Câmara dos EUA (Vermont tem apenas um assento). Ele nunca ganhou mais de 4 por cento dos votos, mas ele fez melhor em Burlington que nas áreas rurais de Vermont, o que lhe deu a esperança de que ele tinha chance de ganhar um cargo no governo local.

Em 1981, Sanders concorreu para prefeito de Burlington como um independente e derrotou Gordon Paquette, prefeito de seis mandatos do Partido Democrata, por dez votos, em uma eleição de quatro turnos. Sanders foi reeleito três vezes por margens cada vez mais amplas: 52 por cento em 1983, 55 por cento em 1985, e 56 por cento em 1987.

Burlington não era nenhum tipo de enclave da contracultura hippie. Embora a cidade atraísse muita gente jovem e educada por causa de sua beleza natural e a presença da Universidade de Vermont, sempre teve uma grande população da classe trabalhadora (muitas delas vindas da parte francesa do Canadá) que, até a entrada em cena de Sanders, tendia a votar em democratas moderados e republicanos. Cada vez que concorria para prefeito, Sanders atraía cada vez mais o apoio dos recintos de trabalhadores da cidade.

Em seus primeiros dois anos de mandato, a Câmara Municipal se recusou a permitir Sanders contratar mais do que um punhado de funcionários, enquanto os burocratas entrincheirados da prefeitura procuravam frustrar suas iniciativas. Randy Kamerbeek, diretor de planejamento da cidade “tentou sabotar tudo o que Bernie propunha”, lembrou Michael Monte, que trabalhou na agência em questão. “Ele nos disse para não permitir que Bernie tivesse quaisquer sucessos visíveis. Ele imaginou que Bernie ficaria de fora do cargo depois de seu primeiro mandato”.

Depois que ele foi reeleito em 1983, e os eleitores apostaram em uma Câmara Municipal mais progressiva, Sanders ganhou uma posição mais forte na Prefeitura. Com o apoio dos republicanos locais e líderes empresariais, criou o Instituto Comunitário e Desenvolvimento Econômico (CEDO) para realizar sua visão para a habitação mais acessível, mais pequenas negócios de proprietários locais, uma maior participação da comunidade no planejamento e desenvolvimento de trabalho.

Quando Sanders tomou posse, a orla de Lake Champlain em Burlington era um terreno baldio. Tony Pomerleau, um empresário local influente, planejou um mega-projeto que incluía um hotel de 150 quartos, espaço de varejo, uma marina, e 240 condomínios em edifícios de 18 andares. Em sua primeira campanha, Sanders se comprometeu a derrubar esse plano. Depois de Pomerleau retirar sua proposta, Sanders apoiou outro projeto para a orla que incluiu certo desenvolvimento comercial, habitação acessível, e generoso acesso do público. Mas depois que os eleitores derrotaram uma medida de títulos para esta proposta, Sanders voltou para a prancheta para vislumbrar uma “orla das pessoas.”

Segundo Monte, que trabalhou no projeto da orla para Sanders e foi diretor da CEDO por 12 anos, “Bernie queria ter certeza de que era um lugar com muito espaço aberto e de acesso público, onde as pessoas comuns poderiam alugar um barco a remo e comprar um cachorro quente. Isso não era apenas para a elite. Foi Bernie que deu o tom de que a orla não estava à venda “.

Graças a Sanders, a orla de Burlington agora tem uma garagem de barcos da comunidade e outras instalações para pequenas embarcações. Há também um centro de vela e centro de ciência, um píer de pesca, uma ciclovia de oito milhas, alguns acres de parque, e praias públicas. O desenvolvimento comercial é modesto e em pequena escala. Em 26 de maio, Sanders começou sua campanha presidencial com um comício em Waterfront Park.

A maioria dos líderes de negócios de Burlington inicialmente desconfiava de Sanders. Eles não sabem o que um socialista faria quando segurasse as rédeas do poder. Mas, mesmo muitos dos primeiros oponentes de Sanders vieram a respeitar e até mesmo admirar a sua vontade de ouvir as suas opiniões e os seus esforços para adotar políticas municipais progressistas.

Pomerleau era então – e continua a ser hoje , aos 97 anos – um dos moradores mais ricos de Burlington. Um republicano de longa data, ele ganhou seu dinheiro desenvolvendo supermercados, hotéis e shoppings, e ele possui boa parte dos imóveis comerciais de Burlington. Durante décadas, ele tem exercido considerável influência política, serviu como presidente da comissão de polícia da cidade, e foi o seu mais generoso filantropo.

“Quando [Sanders] concorreu pela primeira vez a prefeito, ele estava concorrendo contra caras como eu”, Pomerleau lembrou em uma entrevista recente.

Pomerleau, que votou contra Sanders em 1981, bateu em sua porta um dia depois que a eleição. “Eu disse, ‘Você é o prefeito, mas ainda é minha cidade'”, lembrou.

Pomerleau ficou feliz quando Sanders se opôs a seu plano de desenvolvimento da orla, mas ele gradualmente chegou a conhecer o prefeito e passou a admirar seu pragmatismo, sua tenacidade de bulldog para fazer as coisas, e seu apoio para a polícia local.

“Bernie e eu trabalhamos muito bem juntos para o bem da cidade”, disse Pomerleau. “Nós fomos o casal estranho.”

Pomerleau votou Sanders nas suas três disputas bem-sucedidas para a reeleição. E Sanders freqüentemente chamou Pomerleau para pedir seus conselhos. Eles permaneceram em contacto estreito, mesmo depois de Sanders foi eleito para o Congresso.

Pomerleau expressou sua satisfação pelo fato de que nos últimos 35 anos Sanders nunca perdeu uma de suas festas anuais de Natal para crianças carentes. Ele também elogiou Sanders por ser um apoiador fiel de veteranos militares dos Estados Unidos.

“Se mais pessoas ricas fossem como eu”, Pomerleau disse: “Bernie teria uma opinião melhor sobre os ricos.”

***
“Quando Bernie foi eleito pela primeira vez, a mídia local disse que ele era anti-business”, lembra Bruce Seifer, um arquiteto da equipe de desenvolvimento econômico de Sanders. “Eles nos chamavam de Sanderistas”.

Após a vitória na reeleição de Sanders em 1983, os grupos empresariais concluiram que não poderiam derrotá-lo e, assim, tiveram de trabalhar com ele. Mas muitas pessoas de negócios também viram que Sanders compartilhava seu interesse no “desenvolvimento” – o que ele via como “bom desenvolvimento” – enquanto se opunha a projetos que ferissem bairros de classe média e trabalhadora ou vitimassem trabalhadores de baixa renda.

“Bernie nunca foi anti-crescimento, anti-desenvolvimento, ou anti-business”, explicou Monte. “Ele só queria que as empresas fossem responsáveis para com os seus colaboradores a comunidade. Ele queria que os empresários locais prosperassem. Ele queria que as pessoas tivessem bons empregos que paguem um salário decente. Se você pode aceitar com isso, você pode aceitar Bernie e Bernie pode aceitar você”.

A administração Sanders proporcionou a novas empresas financiamento de sementes, ofereceu assistência técnica, ajudou as empresas a formar associações comerciais (incluindo South End Arts and Business Association e Vermont Convention Bureau), chamou atenção para ajudar as mulheres a se tornarem empreendedoras, financiou programas de formação para dar às mulheres o acesso a empregos não tradicionais, e pressionou o governo do estado para promover o crescimento de negócios.

Quando Sanders tomou posse, Burlington não tinha nenhum supermercado no centro da cidade. As principais cadeias de supermercados disseram aos funcionários da cidade que iriam investir em uma nova loja apenas se eles pudessem construir um mega-mercado que os moradores acreditavam era muito grande. Em vez disso, a administração Sanders colocou suas esperanças na cooperativa local Onion River. Com 2.000 membros em sua antiga localização, alguns pensaram que era um empreendimento arriscado. Acabou sendo um bom investimento, e sob o sucessor de Sanders se tornou City Market, um mercado muncipal, uma empresa próspera com mais de 9.000 membros.

Com Sanders, Burlington tornou-se um ímã para atrair e incubar empresas locais, muitas das quais se expandiram para grandes empresas. Burton, a maior empresa de snowboard do país, tem a sua sede (bem como um museu snowboard) em Burlington. A cidade apoiou a Seventh Generation, uma empresa de produtos de limpeza ecológicos apoiada pela cidade, quando começou em 1988. Hoje, com sede na orla do centro em um edifício com certificação LEED e mais de US $ 300 milhões em vendas anuais, é um dos maiores empregadores da Burlington. Com a ajuda da cidade, Gardeners Supply Company, que vende produtos de jardinagem ambientalmente amigáveis, mudou-se para Burlington em 1983. Quatro anos mais tarde, seu fundador, Will Raap, começou o processo de venda da empresa para os seus trabalhadores. Ela agora tem mais de 250 empregados-proprietários.

Quando estava na transição da Gardeners Supply para a propriedade dos funcionários, Raap também começou a organizar voluntários para limpar uma várzea em grande parte abandonada ao norte da loja. A CEDO, agência de desenvolvimento de Sanders, ajudou a organizar a compra da área e forneceu o capital para sistemas de irrigação, veículos agrícolas e estações de lavagem para os legumes. Até o final da década de 1990, tornou-se o lar de uma dúzia de fazendas urbanas, produzindo anualmente mais de 500.000 toneladas de alimentos para casas e lojas locais. Hoje ela gera mais de 10 por cento dos alimentos vendidos em Burlington.
“Bernie percebeu que a economia não tem de ser dominada por bandidos”, explicou Raap, um dos fundadores da Businesses for Social Responsibility situada em Vermont, uma associação de comércio alternativa. “Ele viu isso e a promoveu.”

A economia forte e o crescimento populacional de Burlington pressionou a oferta de habitação da cidade, ameaçando desalojar famílias de baixa e média renda. Com Sanders, a cidade adotou políticas para criar habitação permanentemente acessível. A cidade canalizou uma grande parte dos subsídios federais para organizações sem fins lucrativos comprometidas com esse objetivo, e cultivou uma circunscrição dessas organizações de desenvolvimento de pequeno porte. O primeiro passo importante foi o apoio à Burlington Community Land Trust com uma doação inicial de US $ 200.000. Agora chamado de Champlain Housing Trust, a organização sem fins lucrativos tem mais de US $ 290 milhões em ativos; administra uma carteira de 2.800 casas de preço controlado, condomínios, cooperativas e aluguéis; e possui mais de 120.000 pés quadrados de espaço comercial e instalações sem fins lucrativos.

Para financiar novas iniciativas de habitação, a cidade dirigida por Sanders criou um fundo fiduciário de habitação, capitalizada em parte por um aumento de 1 por cento em impostos sobre a propriedade. Um ano depois de Sanders deixar o cargo, a coalizão bem-sucedida que ele construiu empurrou a Câmara Municipal a promulgar uma lei de zoneamento inclusivo. Foram necessários projetos residenciais a taxas de mercado para deixar de lado 10-25 por cento das unidades de aluguéis e preços acessíveis para famílias com rendimentos modestos e mantê-los acessíveis por 99 anos.

A administração Sanders cuidadosamente cultivou assembleias de planejamento de bairro (NPA) em cada um dos seis bairros da cidade, proporcionando-lhes orçamentos modestos para deliberar e emitir pareceres sobre projetos que afetam suas vizinhanças. Os NPAs tinha uma voz sobre a utilização dos fundos de Desenvolvimento Comunitário do bloco de subsídios federais em seus bairros. Hoje, cidadãos de Burlington dão crédito aos NPAs pelo aumento do nível de participação dos moradores e discussão na política local.
Sanders também impulsionou energias participativas da cidade de outras maneiras. Logo no início, ele estabeleceu um Gabinete de Juventude, um Conselho de Artes, e um Conselho da Mulher, cuja primeira iniciativa importante foi uma portaria exigindo 10 por cento de todos os trabalhos de construção civil financiados pela cidade a serem preenchidos por mulheres.

***
O histórico da Sanders como prefeito foi tão bem sucedido que os eleitores de Burlington escolheram o diretor da CEDO, Peter Clavelle, para sucedê-lo em 1989. (Ele foi eleito em 1993, mas re-eleito em 1995, e manteve-se até 2006.) Durante seus 16 anos no gabinete do prefeito, Clavelle expandiu a agenda de Sanders. Um republicano ocupou o cargo de 1993 a 1995, e outro progressista independente, Bob Kiss, assumiu de 2006 a 2012. Depois que uma controvérsia irrompeu sobre a Burlington Telecom, de propriedade da cidade, Kiss recusou-se a concorrer à reeleição.

Em 2012, pela primeira vez desde a primeira campanha de Sanders em 1981, Burlington elegeu um democrata- Miro Weinberger- como prefeito. Embora mais conservador do que Sanders, Clavelle, e Kiss, ele tem sido relutante em reverter suas políticas, pelo fato de serem tão populares. Os progressistas de Burlington não só mantiveram a suas principais realizações políticas, mas, após a eleição mais recente, ganharam assentos na Câmara Municipal e catapultaram Jane Knodell, Partido Progressista, na presidência desse órgão.

Nos anos 1970 e 80, Sanders pertencia a um grupo de prefeitos – incluindo Paul Soglin de Madison, Wisconsin; Gus Newport de Berkeley, Califórnia; Ruth Goldway de Santa Monica, Califórnia; Harold Washington de Chicago; e Ray Flynn de Boston – que procurou usar as alavancas do governo local a adotar políticas progressistas criativas. Mais do que em qualquer outra cidade, os progressistas de Burlington consolidaram essas reformas a longo prazo. A coalizão que se aglutinou em torno de Sanders em 1981 governou Burlington por todos os próximos 31 anos, à exceção de 2.

Burlington é hoje amplamente anunciada como uma cidade ambientalmente amigável, alegre e habitável com uma economia próspera, incluindo uma das mais baixas taxas de desemprego do país. Os cidadãos de Burlington dão crédito a Sanders por governar a cidade em uma nova direção que, apesar do ceticismo inicial, mostrou-se amplamente popular com os eleitores. Um número crescente de cidades – incluindo Seattle, Nova York, Phoenix, Pittsburgh, Los Angeles, Minneapolis, Newark, e outros, estão agora lideradas por prefeitos progressistas. Eles estão adotando leis de salário mínimo municipais, exigindo que empreiteiros construam habitação de renda mista, reforçando regulamentos contra empresas poluidoras e levando a cabo outras políticas para lidar com desigualdade econômica crescente e as crises ambientais da nação.

O que eles podem aprender com Sanders é que boas idéias não são suficientes. Criar cidades mais habitáveis exige cultivar um núcleo de organizações ativistas que podem construir o apoio a longo prazo para as políticas municipais progressistas.