Luciana Genro

Dossiê denuncia perseguição a jornalistas no Paraná

10 de setembro de 2015 11h56

Por Redação #Equipe50

Os sindicatos dos Jornalistas Profissionais do Paraná e dos Jornalistas Profissionais do Norte do Paraná elaboraram em conjunto um dossiê que reúne denúncias a respeito de casos recentes de perseguição a profissionais da imprensa no Estado governado por Beto Richa (PSDB). As tentativas de intimidação e ameaças – inclusive de morte – vêm diretamente de setores do governo estadual, especialmente das polícias Civil e Militar.

– Veja aqui o dossiê na íntegra

“Quando um jornalista sofre algum tipo de censura ou coação para ferir princípios éticos, a maior prejudicada é a democracia. Porque o que está em jogo é a garantia de que o jornalismo possa estar a serviço da sociedade, cumprindo o direito fundamental do cidadão de acesso à informação. Sem informação livre não é possível construir uma sociedade consciente, capaz de interpretar corretamente a realidade e agir para o bem comum”, diz o dossiê.

O jornalista Mauri König, da Gazeta do Povo, teve que passar por um exílio forçado no Peru, onde viveu durante dois meses, devido a ameaças de morte. Ele coordenava a série de reportagens “Polícia fora da lei”, que denunciou irregularidades na atuação da Polícia Civil do Paraná. Após a publicação das reportagens, chegou até a redação a informação de que haveria um plano orquestrado para metralhar sua casa. Outro jornalsita, o produtor James Alberti, teve que deixar o Paraná por conta de amaças que vieram após a realização de uma série de reportagens sobre corrupção e pedofilia na Receita Estadual.