Luciana Genro

Luciana Genro é entrevistada no The Noite de Danilo Gentili e conquista as redes sociais

16 de setembro de 2014 14h40

Por Redação #Equipe50

O programa The Noite, apresentado por Danilo Gentili no SBT, apresentou no início da madrugada desta terça-feira (16) entrevista com a candidata à Presidência do PSOL, Luciana Genro, a primeira do ciclo de entrevistas com presidenciáveis do talk show. Luciana Genro esteve entre os termos mais citados do Twitter durante toda a madrugada e boa parte da manhã.

Luciana foi perguntada sobre diversos assuntos, como economia, drogas, ideologias e manifestações. Danilo Gentili perguntou qual a proposta da candidata sobre a recessão que vive a economia brasileira. “O problema da recessão é muito grave e tem uma explicação muito clara. A financeirização da economia é tão grande, é tão lucrativo para os empresários investir na Bolsa que não vale mais a pena investir na produção. Isso acaba gerando recessão e desemprego, porque a taxa de juros é tão alta que ele ganha certo no mercado de capitais e, não na produção, onde ele tem que correr riscos. É o capitalismo sem risco”, disse a candidata, a mais contundente na crítica aos lucros dos bancos.

Socialismo x Capitalismo

Na sabatina, a presidenciável afirmou, respondendo a pergunta do músico Roger Moreira, que seu projeto não representa uma volta a regimes ditatoriais que tentaram o socialismo em outros países. “Eu não me identifico com as experiências que chamavam de socialismo mas não eram socialistas. Porque a ideia de socialismo é uma ideia de generosidade, de igualdade e de liberdade. Por isso o nome do nosso partido é Socialismo e Liberdade: para se diferenciar das experiências autoritárias”, disse ela, lembrando que o capitalismo também mata milhões de pessoas pelas guerras, fome e desemprego

Quando Gentili, comentando o tema proposto por Roger, perguntou se alguma das tentativas de construção do socialismo foi bem sucedida, Luciana disse: “E tu achas que o capitalismo acertou alguma? Tu achas isso porque tu estás numa situação privilegiada. Se tu estivesses lá na Ocupação Anchieta, que eu visitei, onde as pessoas estão vivendo em barracos, tu ias achar que o capitalismo também fracassou”, exemplificou.

Hit nas redes

Meme que circula na Internet

Meme que circula na Internet

A candidata do PSOL protagonizou o momento alto do programa comandado por um dos humoristas mais polêmicos e criticados da atualidade.

Ao prosseguir o tema iniciado por Roger, Gentili afirmou que regimes que reivindicavam-se marxistas eram “lugares horríveis” e Luciana respondeu que “Marx se revirava na tumba cada vez que usavam o nome dele”. O apresentador, em tom irônico, disse que Marx devia teve um “problema de comunicação”, ao que foi imediatamente respondido pela presidenciável do PSOL. “Se tu estudares um pouquinho tu vai entender mais sobre o assunto”, rebateu Luciana, sendo ovacionada pela plateia. A frase viralizou nas redes sociais, com memes e comentários, atingindo em poucas horas milhares de compartlhamentos.

Maconha

Questionada sobre sua política de drogas, a candidata do PSOL defendeu a descriminalização e regulamentação do uso da maconha, o que, segundo ela, permitirá colocar a droga no mesmo patamar de outras substâncias hoje lícitas, como álcool e cigarro. “Não é fazer apologia do uso da maconha, é poder discutir os problemas e principalmente poder tirar o usuário das garras do traficante”, afirmou a presidenciável, citando um projeto do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) que propõe a criação de clubes de cultivo para tirar o mercado dos narcotraficantes.

Gentili perguntou a Luciana se ela faz ou já fez uso de drogas ilícitas e a presidenciável respondeu: “Usei na adolescência mas, depois que fui eleita deputada, aos 23 anos, eu achei que não poderia mais fazer isso, porque é ilegal, e eu, como uma parlamentar, não poderia me envolver com um negócio ilícito”, explicou.

Mensagem à juventude

No final do programa, Luciana dirigiu-se ao público jovem, lembrando que o sonho de um país melhor manifestado pelas Jornadas de Junho está vivo e pode ser realizado com o apoio dos que querem a mudança. “Quero falar para a juventude que está nos assistindo e que foi às ruas em junho de 2013, que nós podemos transformar em realidade o sonho de termos uma saúde, uma educação, um transporte, um país melhor, desde que a gente tenha coragem de lutar e de acreditar que é possível que esse sonho se torne realidade. É por isso que eu quero ser presidente e é por isso que eu peço o teu voto”, finalizou a candidata.

Entrevista na íntegra