Luciana Genro

Em Congresso de auditores, Luciana Genro defende mudanças na escolha de ministros do TCU

04 de setembro de 2014 18h19

Por Redação #Equipe50

Crédito: Divulgação PSOL

Crédito: Divulgação PSOL

A candidata do PSOL à Presidência da República, Luciana Genro, participou nesta quinta-feira (4) do V Congresso Nacional da Auditar, entidade que representa os auditores do TCU (Tribunal de Contas da União), em Brasília. No encontro, ela defendeu mudanças no sistema de seleção dos ministros do órgão. “É preciso valorizar os técnicos de carreira e não as indicações políticas feitas pelo Congresso Nacional e pela Presidência da República”, afirmou. O TCU é formado por nove ministros e, pelas regras atuais, seis deles são indicados pelo Congresso Nacional, um, pelo presidente da República e dois, escolhidos entre auditores e membros do Ministério Público.

Durante seu discurso no evento, a candidata do PSOL valorizou o papel do TCU na fiscalização externa das contas do governo. “O TCU é um órgão fiscalizador de alta relevância para se combater a corrupção e as irregularidades, e para se identificar as violações ao interesse público que constantemente ocorrem nas obras, nas licitações e nos contratos que são estabelecidos entre o poder público e a iniciativa privada. Por esse motivo, defendemos cada vez mais o fortalecimento do TCU, o fortalecimento da área técnica e a possibilidade de que os conselheiros sejam pessoas qualificadas e não meramente indicadas por políticos dos partidos”, defendeu Luciana.

A presidenciável ainda registrou que conta com a ajuda dos auditores do TCU para fazer a revisão da dívida publica. “Quero realizar a auditoria da dívida pública, como o presidente Rafael Correa fez no Equador. Há indícios de irregularidades, como a cobrança de juros sobre juros, já apontadas como ilegal pelo Supremo Tribunal Federal. E o papel dos auditores do TCU é fundamental nessa tarefa”, declarou.