Luciana Genro

Em encontro com Glenn Greenwald, Luciana Genro anuncia: “Snowden será bem-vindo e terá toda a liberdade no Brasil”

07 de agosto de 2014 17h20

A candidata do PSOL disse que sua primeira medida diplomática será conceder asilo a o ex-funcionário da NSA

Por Redação #Equipe50

Crédito: Divulgação PSOL

Crédito: Divulgação PSOL

A candidata do PSOL à Presidência da República, Luciana Genro, encontrou-se com o jornalista norte-americano Glenn Greenwald, na tarde desta quinta-feira (7), no Rio de Janeiro. Durante a reunião, a presidenciável anunciou que sua primeira medida diplomática será conceder o asilo humanitário a Edward Snowden, ex-consultor da NSA (Agência de Segurança Nacional dos EUA) que vazou documentos que mostravam que os Estados Unidos espionou diversos países, inclusive o Brasil. “Snowden será bem-vindo e terá toda a liberdade. Nossa oferta de asilo humanitário respeitará os direitos políticos dele”, afirmou.

Greenwald, que foi o responsável por revelar ao mundo as denúncias de Snowden, disse que essa é muito mais do que uma questão só humanitária. “É um benefício muito grande para o Brasil. Por exemplo, ninguém explicou como o sistema da Petrobras foi invadido. É uma questão muito séria para o Brasil. Por isso o asilo para Snowden é tão importante”. Ainda segundo ele, se o ex-funcionário da NSA vier, o Brasil pode ter aceso a muitas informações. “Com ele aqui, a investigação pode funcionar melhor. Ele tem elementos para esclarecer se as empresas brasileiras estão cooperando ou são vítimas”, diz.

Crédito: Divulgação PSOL

Crédito: Divulgação PSOL

Sobre a notícia que saiu hoje de Snowden conseguiu permissão de residência por 3 anos na Rússia, Greenwald é taxativo. “Na Rússia ele não pode participar do debate. Os direitos dele não são protegidos. E a notícia de hoje é só o direito de residência, não o asilo. Então pode ser cancelado a qualquer momento”, afirma.

Ainda durante o encontro, Luciana Genro manifestou-se favoravelmente a medidas de proteção legal a jornalistas investigativos e denunciantes. “É necessário criar mecanismos de proteção a servidores públicos e jornalistas que denunciam violações e arbitrariedades por parte do Estado”, posicionou-se Luciana.