Luciana Genro

Bom Senso FC defende mais rigor e transparência na Lei de Responsabilidade do Esporte

05 de agosto de 2014 13h05

PSOL e candidatura de Luciana Genro acompanham audiência em Brasília e apoiam emendas do movimento dos jogadores

Crédito: Divulgação PSOL

Crédito: Divulgação PSOL

Por Redação #Equipe50

O Bom Senso Futebol Clube, o movimento dos jogadores que atuam no futebol brasileiro, está em Brasília/DF para criticar e exigir mudanças na proposta de Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte. Na manhã desta terça-feira (5), foi realizada audiência entre o Bom Senso e parlamentares, entre eles o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e o deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ). A candidatura de Luciana Genro acompanhou o encontro, através do coordenador geral da Campanha, Luiz Araújo. O Bom Senso esteve representado pelas jogadoras de futebol feminino Mayara Bordin e Aline Pellegrino, pelos jogadores de futebol de areia Benjamin e Daniel, por nomes reconhecidos mundialmente como Alex, Gilberto Silva, Dida e Juan, e jogadores de grandes clubes brasileiros como Paulo Isidoro, Fabinho, Ricardo Berna, Washington, Marcus Vinicius, Lucas Madalosso, Roberto e pelo diretor de Estratégia, Ricardo Martins.

Dep. Chico Alencar / Divulgação PSOL

Dep. Chico Alencar / Divulgação PSOL

A bancada da bola, abastecida pelo lobby dos cartolas da CBF e dos grandes clubes, querem mais uma vez o perdão das dívidas bilionárias dos clubes com a União em questões trabalhistas. Por sua vez, o Bom Senso exige contrapartidas para que haja responsabilização dos dirigentes de clubes que contraiam dívidas desse porte, o que leva a atrasos de salários dos atletas e geralmente representam gestões corruptas.

O Bom Senso, por meio de seu site, afirma que “sem um sistema inteligente de fiscalização contínua com punições escalonadas em que os clubes se adequem a critérios de gestão transparente e democrática (e sem a criação de um órgão para executar tal tarefa) a LRFE não servirá de nada ao futebol brasileiro, será apenas mais uma colher de chá entregue com carinho aos responsáveis pelas péssimas gestões que levaram o futebol brasileiro ao estado em que se encontra”.

O líder do Bom Senso, o ex-corinthians Paulo André, criticou em sua página do Facebook os dirigentes que querem a aprovação do projeto de lei como está. “Meus companheiros de profissão, com todo respeito, é hora de deixarmos de ser inocentes úteis. Chegamos ao cúmulo da inconsciência e da exploração. Tudo nos parece normal, rotineiro, inerente ao meio em que vivemos. Dizemos uns aos outros: Ah, deixa pra lá, sempre foi assim… E alguns cartolas, por sua vez, chegaram no limite da malandragem, da lei de Gerson – onde cada um tenta tirar o maior proveito da situação sem se importar com o resto das pessoas à sua volta ou com a sociedade em que vivem.”

Luciana Genro também aderiu à campanha #DemocracianaCBFjá

Luciana Genro também aderiu à campanha #DemocracianaCBFjá

O Bom Senso luta pela efetiva democratização e transparência do comando do futebol brasileiro. No abuso da autonomia a que tem direito, a CBF permite a perpetuação de um seleto grupo de cartolas que se locupletam às custas da paixão do povo brasileiro pelo futebol. A campanha #DemocracianaCBFjá percorreu as redes sociais, estádios e personalidades brasileiras. A candidata do PSOL à Presidência da República, Luciana Genro, também aderiu à campanha.

Luciana Genro defende as demandas do Bom Senso e adotou como plataforma de campanha a defesa da democratização do acesso ao esporte, a partir do programa organizado pelo jornalista esportivo Juca Kfouri ainda em 2002, originalmente para o primeiro governo Lula, e entregue à candidata, tendo em vista que não foi implementado pelos governos petistas.

O Bom Senso segue em Brasília para acompanhar a pauta do Plenário da Câmara dos Deputados, que pode levar à votação a Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte ainda esta semana.