Luciana Genro

Democracia Real Já no DCE da PUCRS!

16 de junho de 2011 10h53

Por Fernanda Melchionna

A situação da PUCRS é uma mistura de vergonha e orgulho. Vergonha, pois no momento em que as praças do mundo clamam por democracia real, enquanto no Brasil todos têm direito a eleger um(a) presidente(a), na PUC os estudantes não tem o direito de escolher seu DCE, sua representação. Isso porque uma máfia encastelada há mais de 20 anos na entidade não permite o mínimo de democracia a qualquer um(a) que discorde. As agressões que ocorreram às duas manifestantes na noite de ontem mostram a covardia desses que hoje se dizem representar os estudantes.

Por outro lado, nos enche de orgulho perceber que os(as) estudantes não se calam e não se rendem frente às ameaças do DCE da Máfia. Estão dando uma demonstração de como se garante os nossos direitos, sempre marcados pelo suor das mobilizações. Esperamos que a Reitoria da PUCRS também não se cale e some-se à iniciativa de realizar uma eleição realmente democrática.

Nosso mandato está à disposição do movimento. Nos solidarizamos com as colegas que foram agredidas e lutaremos para que isso nunca mais volte a acontecer. Que os(as) estudantes sejam vitoriosos(as) em sua luta por um movimento estudantil democrático independente das reitorias e dos governos. Até a vitória!!

O que a CPI da Juventude tem a ver com o DCE da PUCRS?

Estamos desde fevereiro investigando na CPI da Juventude aqui na Câmara Municipal as maracutaias na Secretaria Municipal de Juventude (SMJ). Uma das principais investigações diz respeito à gestão do vereador Mauro Zacher na SMJ, na qual 8 pessoas estão indiciados pela Polícia Federal por formação da quadrilha e dispensa indevida de licitação.

O mesmo grupo político que comanda de maneira autoritária e violenta o DCE da PUC/RS há mais de 20 anos está sendo investigado pelos contratos de R$ 10,3 milhões do PROJOVEM entre 2005 e 2007, programa que deveria ser uma oportunidade para os jovens de baixa renda, mas foi alvo de corrupção.

Entre os indiciados estão Mauro Zacher, Paulo Jorge Sarkis (ex-reitor da UFSM), Ferdinando Francisco Fernandes (da empresa Pensant), Mário Gaiger (presidente da FUNDAE), Ipojucan Sefrin, Ney Pippi, Luiz Gonzaga e Denise Luz. A partir da Operação Rodin, a investigação dos R$ 44 milhões desviados do DETRAN através das “Fundações de Apoio” FUNDAE e FATEC da UFSM, verificou-se que o mesmo método de burla de licitação para subcontratar empresas, como a Pensant (empresa que tb aparece nas fraudes do DETRAN e que seu dirigente tb tem relações com o PDT) foi realizado aqui em Porto Alegre.

Segundo a PF, o contrato do ProJovem deveria ser executado pela Fundae (Fundação Educacional e Cultural para o Desenvolvimento e o Aperfeiçoamento da Educação e da Cultura), mas foi repassado a uma empresa privada, caracterizando fraude em licitação. A corporação também identificou irregularidade no contrato de fornecimento de lanches, que foi prorrogado diversas vezes em caráter emergencial.

Seguiremos lutando aqui na CPI pela punição dos envolvidos e a devolução aos cofres públicos do dinheiro desviado do programa de estudos de jovens em vulnerabilidade social.