Luciana Genro

A semana vista pelo PSOL

03 de setembro de 2010 14h22

Mais um escândalo no governo Yeda
PF desvenda esquema de superfaturamento no marketing do Banrisul

A Polícia Federal, o Ministério Público Estadual e o Ministério Público de Contas detalharam em coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira, 2, a Operação Mercari, que investiga o desvio de cerca de R$ 10 milhões do Banrisul, nos últimos 18 meses, através do superfaturamento de campanhas de marketing.

O superintendente da PF no Rio Grande do Sul, delegado Ildo Gasparetto, frisou que o Banrisul seria “vítima de uma quadrilha que tirava dinheiro do banco para usá-lo de maneira particular”. Segundo ele, hoje foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão – 10 em Porto Alegre e um em Gravataí, na Região Metropolitana – que recolheram computadores e documentos que podem comprovar teses de existência de lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Três pessoas foram presas: o superintendente de Marketing do Banrisul, Walney Fehlberg, e diretores das agências de publicidade SLM e DCS, respectivamente, Gilson Stork e Armando D’Elia Neto. Eles foram detidos em flagrante por peculato e lavagem de dinheiro porque durante as buscas em residências e empresas a PF apreendeu dinheiro sem origem identificada. Até o momento, foi recolhido um total de cerca de R$ 2 milhões em poder dos três, entre reais, dólares e euros.

Na coletiva, as autoridades não quiseram revelar os nomes dos presos, mas as identidades já haviam sido reveladas pelo jornal Zero Hora. Gasparetto disse que o “alto diretor do Banrisul” (Fehlberg) já havia sido detido em junho, tentando sair do país com US$ 20 mil, e estava solto graças a um habeas corpus. Não se sabe como seguia na direção de Marketing do banco.

Em nota, a PF havia afirmado que o dinheiro havia sido desviado por “suposta organização criminosa, integrada por alto funcionário do banco, diretores de agência de publicidade e prestadores de serviços”. O texto diz ainda que “o esquema se daria através de superfaturamento na produção de ações de marketing contratadas junto a agências, as quais eram terceirizadas a empresas que, por sua vez, subcontratariam os reais executores dos serviços a preços muito menores do que aqueles cobrados do banco”. Pelo menos duas agências do Banrisul estão sendo investigadas.

Gasparetto disse que ainda não se sabe o destino do dinheiro superfaturado, mas que a PF espera devolver toda ou parte da quantia ao banco. De acordo com o procurador-geral do MP de Contas, Geraldo Da Camino, a testemunha que deu início às investigações apresentou-se ao Ministério Público ainda em outubro de 2009. Ela prestava serviços ao banco e sentiu-se lesada porque não recebeu a quantia que havia combinado previamente. Segundo Da Camino, a identidade dessa testemunha está sendo preservada.

A deputada federal Luciana Genro, o presidente do PSOL gaúcho, Roberto Robaina, e nosso candidato ao Piratini, Pedro Ruas, acompanharam a entrevista. O partido já vinha denunciando esquemas de corrupção no governo de Yeda Crusius, e apontou, em fevereiro de 2009, a participação de agências de publicidade nos casos. Clique aqui para relembrar.

Orçamento para 2011: ZERO de aumento real para salário mínimo e aposentadorias

Nesta semana, o Poder Executivo enviou ao Congresso a proposta de Orçamento para 2011, onde não prevê nenhum aumento real para o salário mínimo nem para as aposentadorias. Qualquer aumento dependerá do próximo governo, sendo que o líder do governo no Congresso, deputado Gilmar Machado (PT/MG), justificou dizendo que “o presidente Lula não ia resolver sozinho e deixar a conta para o próximo”.

Interessante observar que esse argumento não existe no caso do “superávit primário” (ou seja, a reserva de recursos para o pagamento da dívida), já definido em R$ 125,5 bilhões para 2011.

Esse aumento real zero no salário mínimo segue a regra acordada com grandes centrais sindicais há mais de três anos atrás, de aumento equivalente ao crescimento real do PIB de dois anos antes, que em 2009 foi negativo. Já no início de 2007, a deputada Luciana Genro e o presidente do PSOL gaúcho, Roberto Robaina, já haviam denunciado no artigo ‘PAC do governo Lula não melhora a vida do povo’ que essa fórmula iria limitar o aumento do salário mínimo. Agora, depois de três anos, as grandes centrais reconhecem que erraram, e vão pressionar o governo para mudar a regra que elas mesmas definiram.

Servidores públicos também ficam sem aumento geral

O orçamento para 2011 também não prevê correção geral para os salários dos servidores federais. Apenas serão concedidos os reajustes já definidos em lei nos anos anteriores. Como resultado, o gasto com pessoal irá cair como percentual do PIB, de 5,08% em 2010 para 4,7% em 2011, mesmo considerando os ativos, aposentados e pensionistas. Ou seja: os dados do orçamento provam que a grande imprensa está equivocada quando coloca os servidores como vilões das contas públicas, e prega uma nova reforma da Previdência.

Nova reforma da Previdência

Nesta semana, o blog do Ricardo Noblat divulgou que o governo já prepara uma nova reforma da Previdência para o ano que vem. Apesar do governo ter negado prontamente, é importante ressaltar que o atual ministro da Previdência, Carlos Eduardo Gabas, já afirmou ao jornal Valor Econômico de 26 de julho de 2010 que prepara um conjunto de medidas, dentre elas, a “convergência entre as regras em vigor no regime geral de previdência social e as que compõem o regime de previdência dos servidores”. Conforme já vimos em 2003, isso significa igualar por baixo os direitos dos trabalhadores do setor público e da iniciativa privada.

Outra medida defendida pelo ministro é divulgar o “déficit” da previdência dos servidores: “Quando se fala em previdência, me sinto responsável por discutir também a do servidor público, porque o custo para o país é imenso e a sociedade precisar saber que paga essa conta”, afirmou Gabas.

É sempre importante lembrar também a reforma da Previdência de Lula, em 2003, que prejudicou os servidores públicos já em atividade, apesar do candidato Lula ter afirmado reiteradamente que não prejudicaria os servidores atuais.

Porém, no início de seu governo, Lula atacou paridade, integralidade e pensões, aumentou a idade de aposentadoria e, por incrível que pareça, taxou os inativos!

Mais um escândalo no governo Yeda

PF detalha esquema de superfaturamento no marketing do Banrisul

A Polícia Federal, o Ministério Público Estadual e o Ministério Público de Contas detalharam em coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira, 2, a Operação Mercari, que investiga o desvio de cerca de R$ 10 milhões do Banrisul, nos últimos 18 meses, através do superfaturamento de campanhas de marketing.

O superintendente da PF no Rio Grande do Sul, delegado Ildo Gasparetto, frisou que o Banrisul seria “vítima de uma quadrilha que tirava dinheiro do banco para usá-lo de maneira particular”. Segundo ele, hoje foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão – 10 em Porto Alegre e um em Gravataí, na Região Metropolitana – que recolheram computadores e documentos que podem comprovar teses de existência de lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Três pessoas foram presas: o superintendente de Marketing do Banrisul, Walney Fehlberg, e diretores das agências de publicidade SLM e DCS, respectivamente, Gilson Stork e Armando D’Elia Neto. Eles foram detidos em flagrante por peculato e lavagem de dinheiro porque durante as buscas em residências e empresas a PF apreendeu dinheiro sem origem identificada. Até o momento, foi recolhido um total de cerca de R$ 2 milhões em poder dos três, entre reais, dólares e euros.

Na coletiva, as autoridades não quiseram revelar os nomes dos presos, mas as identidades já haviam sido reveladas pelo jornal Zero Hora. Gasparetto disse que o “alto diretor do Banrisul” (Fehlberg) já havia sido detido em junho, tentando sair do país com US$ 20 mil, e estava solto graças a um habeas corpus. Não se sabe como seguia na direção de Marketing do banco.

Em nota, a PF havia afirmado que o dinheiro havia sido desviado por “suposta organização criminosa, integrada por alto funcionário do banco, diretores de agência de publicidade e prestadores de serviços”. O texto diz ainda que “o esquema se daria através de superfaturamento na produção de ações de marketing contratadas junto a agências, as quais eram terceirizadas a empresas que, por sua vez, subcontratariam os reais executores dos serviços a preços muito menores do que aqueles cobrados do banco”. Pelo menos duas agências do Banrisul estão sendo investigadas.

Gasparetto disse que ainda não se sabe o destino do dinheiro superfaturado, mas que a PF espera devolver toda ou parte da quantia ao banco. De acordo com o procurador-geral do MP de Contas, Geraldo Da Camino, a testemunha que deu início às investigações apresentou-se ao Ministério Público ainda em outubro de 2009. Ela prestava serviços ao banco e sentiu-se lesada porque não recebeu a quantia que havia combinado previamente. Segundo Da Camino, a identidade dessa testemunha está sendo preservada.

A deputada federal Luciana Genro, o presidente do PSOL gaúcho, Roberto Robaina, e nosso candidato ao Piratini, Pedro Ruas, acompanharam a entrevista. O partido já vinha denunciando esquemas de corrupção no governo de Yeda Crusius, e apontou, em fevereiro de 2009, a participação de agências de publicidade nos casos. Clique aqui para relembrar.

Orçamento para 2011: ZERO de aumento real para o salário mínimo e aposentadorias

Nesta semana, o Poder Executivo enviou ao Congresso a proposta de Orçamento para 2011, onde não prevê nenhum aumento real para o salário mínimo, e nem para as aposentadorias. Qualquer aumento dependerá do próximo governo, sendo que o líder do governo no Congresso (Deputado Gilmar Machado – PT/MG) justificou dizendo que “O presidente Lula não ia resolver sozinho e deixar a conta para o próximo”.

Interessante observar que este argumento não existe no caso do “superávit primário” (ou seja, a reserva de recursos para o pagamento da dívida), já definido em R$ 125,5 bilhões para 2011.

Este aumento real ZERO no salário mínimo segue a regra acordada com grandes Centrais Sindicais há mais de 3 anos atrás, de aumento equivalente ao crescimento real do PIB de dois anos antes, que em 2009 foi negativo. Já no início de 2007, a Deputada Luciana Genro e Roberto Robaina já haviam denunciado em artigo (“PAC do Governo Lula não melhora a vida do povo”) que esta fórmula iria limitar o aumento do salário mínimo. Agora, depois de 3 anos, as grandes Centrais Sindicais reconhecem que erraram, e vão pressionar o governo para mudar a regra que elas mesmas definiram.

Servidores Públicos também ficam sem aumento geral

O Orçamento para 2011 também não prevê correção geral para os salários dos servidores federais. Apenas serão concedidos os reajustes já definidos em lei nos anos anteriores. Como resultado, o gasto com pessoal irá cair como percentual do PIB, de 5,08% do PIB em 2010 para 4,7% em 2011, mesmo considerando os ativos, aposentados e pensionistas. Ou seja: os dados do orçamento provam que a grande imprensa está equivocada quando coloca os servidores como vilões das contas públicas, e prega uma nova reforma da previdência.

Nova Reforma da Previdência

Nesta semana, o blog do Ricardo Noblat divulgou que o governo já prepara uma nova reforma da Previdência para o ano que vem. Apesar do governo ter negado prontamente, é importante ressaltar que o atual Ministro da Previdência, Carlos Eduardo Gabas, já afirmou ao jornal Valor Econômico de 26 de julho de 2010 que prepara um conjunto de medidas, dentre elas a “convergência entre as regras em vigor no regime geral de previdência social e as que compõem o regime de previdência dos servidores”. Conforme já vimos em 2003, isto significa igualar por baixo os direitos dos trabalhadores do setor público e da iniciativa privada.

Outra medida defendida pelo Ministro é divulgar o “déficit” da Previdência dos Servidores: “Quando se fala em previdência, me sinto responsável por discutir também a do servidor público, porque o custo para o país é imenso e a sociedade precisar saber que paga essa conta”, afirmou Gabas.

É sempre importante lembrar também a reforma da Previdência de Lula, em 2003, que prejudicou os servidores públicos já em atividade, apesar do candidato Lula ter afirmado reiteradamente que não prejudicaria os servidores atuais.

Porém, no início de seu governo, Lula atacou a paridade, integralidade, pensões, aumentou a idade de aposentadoria, e por incrível que pareça, taxou os inativ