Luciana Genro

Desigualdade impede acesso a telecomunicações

08 de junho de 2010 09h14

A baixa renda e a concentração de investimentos em projetos de telecomunicações nos grande centros urbanos são os gargalos para o maior acesso dos brasileiros aos serviços de telecomunicações, como telefonia fixa, móvel, TV por assinatura e internet.

Essa é a avaliação do pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Rodrigo Abdalla, com base no estudo Desafios e Oportunidades do Setor de Telecomunicações no Brasil, divulgado hoje pelo órgão.

Para o pesquisador, o levantamento mostrou que a saída para democratizar o acesso as telecomunicações é promover investimentos em parcerias público-privadas, com a participação das três esferas de governo

Segundo Abdalla, o país tem uma parte da população ainda excluída desses serviços porque há carência de oferta. Ele observou que, comprando-se os serviços de telefonia móvel de São Paulo e de Manaus, por exemplo, o preço no Norte do país chega a ser 15 vezes o do Sudeste.

De 1999 a 2008, os investimentos privados somaram R$ 148 bilhões, dos quais R$ 25 bilhões financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e social (BNDES).

Marli Moreira, repórter da Agência Brasil

Estudo apresenta panorama brasileiro da telecomunicação
Comunicado divulgado nesta segunda-feira (7), em SP, analisa efeitos da privatização e perspectivas para o futuro do setor

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apresentou nesta segunda-feira, 7, em São Paulo (Auditório da Caixa Econômica Federal, Praça da Sé, 111, 5º andar), o Comunicado do Ipea n° 57: Desafios e Oportunidades do Setor de Telecomunicações no Brasil. Parte da série Eixos do Desenvolvimento Brasileiro, o estudo apresenta o processo global de liberalização comercial nas telecomunicações, com suas consequências no Brasil e as novas atribuições dos setores públicos e privados no setor.

Os efeitos da privatização nas telecomunicações, como aumento do acesso da população aos serviços de telecomunicações e a concentração do mercado em alguns grupos econômicos, em sua maioria, estrangeiros, são abordados no estudo. Também faz parte do Comunicado a posição do Brasil em diversos indicadores de evolução dos serviços de telecomunicações em relação ao resto do mundo. As disparidades regionais e entre a zona rural e urbana quanto à cobertura das redes de telecomunicações também estão no estudo.

A interface das políticas públicas e os gargalos do setor são analisados em relação aos potenciais impactos dos investimentos na infraestrutura de telecomunicações no País. São apresentadas algumas perspectivas que servem de insumo para a elaboração de cenários futuros das telecomunicações no Brasil. A evolução dos preços dos serviços de telecomunicações, além das receitas, tributos e subsídios na telefonia fixa e celular também compõem o trabalho.

Apresentaram o estudo o coordenador de Infraestrutura Econômica do Ipea, Carlos Campos; Rodrigo Abdala, técnico de Planejamento e Pesquisa do Instituto; e Cláudio de Almeida Loural, pesquisador do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações.

Série

O Comunicado faz parte de um conjunto amplo de estudos sobre o que tem sido chamado, dentro da instituição, de Eixos do Desenvolvimento Nacional: Inserção internacional soberana; Macroeconomia para o pleno emprego; Fortalecimento do Estado, das instituições e da Democracia; Infraestrutura e logística de base; Estrutura produtivo-tecnológica avançada e regionalmente articulada; Proteção social e geração de oportunidades; e Sustentabilidade ambiental.

A série nasceu de um grande projeto denominado Perspectivas do Desenvolvimento Brasileiro, que busca servir como plataforma de sistematização e reflexão sobre os desafios e as oportunidades do desenvolvimento nacional, de forma a fornecer ao Brasil o conhecimento crítico necessário à tomada de posição frente aos desafios da contemporaneidade mundial.

Os documentos sobre os eixos do desenvolvimento trazem um diagnóstico de cada campo temático, com uma análise das transformações dos setores específicos e de suas conseqüências para o País; a identificação das interfaces das políticas públicas com as questões diagnosticadas; e a apresentação das perspectivas que o setor deve enfrentar nos próximos anos, indicando diretrizes para (re)organizar a orientação e a ação governamental federal.

Comunicados

Ao todo, a coleção terá dez livros, cujos capítulos deram origem aos comunicados desta série. Estiveram envolvidas no esforço de produção dos textos cerca 230 pessoas, 113 do próprio Ipea e outras pertencentes a mais de 50 diferentes instituições, entre universidades, centros de pesquisa e órgãos de governo, entre outras.

O livro no qual o comunicado se insere trata de infraestrutura econômica, cuja função é dar apoio às atividades do setor produtivo. A melhoria da infraestrutura econômica trem impacto direto sobre as empresas e indústrias e pode ampliar a capacidade produtiva por meio de custos, tecnologias e capacidade de distribuição.

Leia a íntegra do Comunicado do Ipea nº 57

Veja a apresentação sobre Desafios e oportunidades do setor de telecomunicações no Brasil

Fonte: Fundação Lauro Campos