Luciana Genro

“Se há suspeitas de fraudes, tem que paralisar”

12 de fevereiro de 2010 07h08

Para a deputada Luciana Genro, as obras da Petrobras devem ser paralisadas até que sejam verificadas as fraudes. “Durante muito tempo, o Partido dos Trabalhadores foi o partido que denunciou, que combateu, que exigiu a fiscalização, a perseguição aos corruptos e aos corruptores. Hoje vemos os líderes do governo pedirem ao Congresso Nacional que mantenha o veto do presidente Lula, para que obras suspeitas de irregularidades, de superfaturamento, possam ter continuidade”, afirmou.

As obras paralisadas devido investigações do Tribunal de Contas da União são a construção da refinaria Abreu e Lima (PE), construção do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, implantação do terminal e ampliação da capacidade de escoamento de gás liquefeito de petróleo, em Barra do Riacho (ES) e modernização e adequação do sistema de produção da refinaria Presidente Getúlio Vargas, em Araucária (PA).

O resultado da votação, feita em cédulas de papel, resultou na manutenção do veto. A votação está sendo questionada por alguns partidos, já que somente 26 senadores registraram presença, quando seriam necessários no mínimo 41, a maioria absoluta. Quanto aos deputados, 359 dos 257 necessários marcaram presença.

“É um país em que a corrupção é tão comum, tão evidente e tão banalizada. Mas, se há suspeitas de fraudes, e o TCU está afirmando isso, é preciso parar as obras”, reiterou a deputada. A parlamentar comentou em seu Twitter que o veto de Lula é “coerente com a amizade dele com o Arruda”, se referindo ao fato do presidente ter lamentado a prisão do governador do Distrito Federal, flagrado durante esquema de corrupção.

Com informações da Liderança do PSOL