Luciana Genro

Aliança liderada por Chávez desafia Obama

16 de dezembro de 2009 09h46

Cúpula da Alba desafiou o que considera “império” norte-americano. Os EUA “não podem conosco”, disse o venezuelano

Chávez, Castro e Morales, durante Cúpula da Alba (AFP)

Chávez, Castro e Morales, durante Cúpula da Alba (AFP)

Os líderes dos países que representam a ala mais à esquerda da América Latina enterraram em Havana as expectativas do presidente americano, Barack Obama, em relação ao grupo, num claro desafio aos Estados Unidos liderado pelo venezuelano Hugo Chávez. Reunidos durante dois dias na Cúpula da Alba – Alternativa Bolivariana para as Américas, os governantes de Venezuela, Cuba, Bolívia e Nicarágua e o chanceler do Equador elevaram o tom contra Obama, ao acusá-lo de dirigir uma campanha para deter a esquerda na América Latina.

Um carta de Fidel Castro, lida por Chávez, reabriu o capítulo das más relações com os EUA, após uma pausa provocada pelo fim do mandato do presidente George W. Bush. “São óbvias as intenções do império [EUA], desta vez, sob o sorriso amável de um rosto afro-americano.” Os EUA “não podem conosco, saiba o senhor Obama, saiba o senhor Prêmio Nobel da guerra”, disse Chávez.

“A América Latina será o segundo Vietnã”, advertiu o boliviano Evo Morales. “Promoveram um golpe de Estado em Honduras (…), um acordo com a Colômbia que permite aos Estados Unidos o uso de sete bases militares, tudo isso após a posse de Obama”, destaca a carta de Fidel Castro.

O tom subiu após a advertência da secretária americana de Estado, Hillary Clinton, sobre o “flerte” de países da região com o Irã, diante da aproximação de La Paz, Quito, Manágua, Caracas e Havana com Teerã, incluindo visitas recíprocas dos líderes latino-americanos e do presidente Mahmud Ahmadinejad. Ao encerrar a reunião, o presidente cubano, Raúl Castro, afirmou que “Honduras é um exemplo de que o suposto compromisso de Washington e seus aliados com a democracia não passa de pura demagogia e oportunismo”.

“O império mantém uma política monolítica, se não como explicar o que ocorreu em Honduras?”, disse o presidente nicaraguense, Daniel Ortega. Os EUA, que condenaram de início o golpe de Estado em Honduras, lideraram posteriormente uma operação diplomática para permitir a eleição de um novo presidente, sem o retorno ao poder do líder deposto, Manuel Zelaya.

A Cúpula da Alba coincidiu com a primeira viagem do vice-secretário americano para a América Latina, Arturo Valenzuela, e inclui Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai, países que discordam da posição dos EUA sobre a crise em Honduras.


Fonte: France Presse