Luciana Genro

Familiares das vítimas do voo 3054 estão indignados

06 de outubro de 2009 14h41

A deputada federal Luciana Genro recebeu com indignação a notícia de que o inquérito da Polícia Federal sobre as causas do acidente com o voo TAM JJ 3054 concluiu que os únicos culpados pelo desastre são os dois pilotos da aeronave, que, como bem lembra os parentes das vítimas estão “mortos, e infelizmente, assim como nossos familiares, não estão mais entre nós para se defenderem”.

Luciana tem acompanhado a apreensão dessas famílias e sua busca por justiça. Como membro da CPI do Apagão Aéreo, apresentou voto em separado denunciando a situação dos controladores de vôo e as irresponsabilidades que acarretaram o trágico acidente da TAM. Por esse trabalho, recebeu troféu da Afavitam – Associação dos Familiares e Amigos das Vítimas do Voo TAM JJ 3054. É o texto dessa associação sobre o inquérito que reproduzimos abaixo.

“FAMILIARES DAS VÍTIMAS DO VOO TAM JJ3054 ESTÃO INDIGNADOS

A Afavitam (Associação dos Familiares e Amigos das Vítimas do Voo TAM JJ 3054) estarrecida e indignada recebeu ontem a notícia que o inquérito que corria na Polícia Federal foi concluído, apontando como culpados somente os dois pilotos mortos, que infelizmente, assim como nossos familiares, não estão mais entre nós para se defenderem.

A surpresa foi total, tendo em vista que, como o inquérito corria em segredo de justiça, não nos foi possível acompanhar e fiscalizar o seu andamento. Em muitas oportunidades a quebra do sigilo foi solicitada por nós, e sempre negada, e aí está o resultado.

A investigação da Polícia Federal corria em paralelo com a da Polícia Civil do Estado de São Paulo que diferentemente daquela, NÃO CORRIA EM SIGILO. Mensalmente tínhamos notícia de seu andamento. Tal inquérito findou em dezembro de 2008 e apontou 11 pessoas como responsáveis pela “tragédia anunciada”, dentre elas membros da TAM, da Infraero e da ANAC, além de mencionar a AIRBUS.

Nós da AFAVITAM já fomos surpreendidos em julho deste ano com a mudança do Delegado da Polícia Federal Pedro Sarzi Júnior, que presidia o inquérito desde a sua fase inicial, pelo Delegado Ricardo Sancovich. Não tivemos a possibilidade de conhecê-lo pessoalmente, porque em que pese convidado mensalmente pela Associação para participar de nossas reuniões, jamais atendeu ao nosso chamado. A mudança de Delegado causou muita apreensão, já que o Delegado Pedro Sarzi Junior acompanhou a investigação do Delegado Barbosa, que corria na esfera estadual.

O Dr. Ricardo Sancovich, menos de quatro meses após tomar conhecimento do processo, que deve contar hoje com mais de 20000 (vinte mi) laudas, e que corre há mais de dois anos, parece ter ignorado todo o trabalho já realizado pela Polícia de São Paulo: deu fim ao inquérito sem apontar sequer uma pessoa “viva” como responsável.

Nós estamos nesta longa caminhada em busca de VERDADE E JUSTIÇA, lutando por mais segurança no setor aéreo. Há mais de dois anos, fazemos passeatas, manifestações, reuniões, sempre exigindo a responsabilização dos culpados e mudanças no setor aéreo. Mesmo diante da dificuldade que é para nós relembrar a cada dia, e a cada reunião toda esta tragédia que resultou na perda de nossos amados, nos mantemos unidos porque, acima de tudo, não queremos que outras famílias brasileiras passem pelo que estamos passando. A impunidade nesse caso, que todo o Brasil tem acompanhado, pode levar a outras transgressões de segurança e a outras mortes.

Os dois inquéritos analisaram o mesmo crime, ouviram as mesmas pessoas, tiveram acesso aos mesmos laudos, e, curiosamente, tiveram desfechos totalmente opostos. Em um deles, 11 pessoas foram apontadas como responsáveis e no outro, apenas os pilotos mortos. O inquérito Federal, sigiloso, agora surpreende a todos. A verdade é que, dia após dia estamos sendo surpreendidos com notícias de impunidade, mas não vamos desistir, as nossas vozes não vão se calar e esperamos contar com o apoio da sociedade. Esta luta não é só nossa!

Os familiares das vítimas continuam depositando suas esperanças no Ministério Público Federal, com o Procurador Dr. Rodrigo de Grandis, em responder aos anseios dos familiares e de todos os brasileiros, mudar o curso deste inquérito e apontar os culpados “vivos”, pelo que foi uma “tragédia anunciada”.

Nós estamos solidários com os familiares dos pilotos mortos, indignados com esse desfecho. Mas, mandamos um recado: não se sintam sós, vamos continuar lutando por VERDADE, JUSTIÇA e, acima de tudo pela valorização da VIDA.

Por fim, convidamos o Dr. Ricardo Sancovich a vir encontrar os familiares em nossa próxima reunião, em 17 de outubro de 2009, em Porto Alegre e apresentar a sua conclusão sobre o relatório emitido.”