Luciana Genro

Segue a luta pelos direitos dos aposentados na Câmara

19 de junho de 2009 11h31
Crédito: Letícia Heinzelmann

Crédito: Letícia Heinzelmann

A deputada federal Luciana Genro participou nesta quinta-feira, 18, do 7º Seminário de Aposentados e Pensionistas do Rio Grande do Sul, organizado pela Fetapergs – Federação dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas do Estado do RS. Além dela, os deputados Manuela D’ávila (PCdoB), Paulo Roberto (PTB) e Vieira da Cunha (PDT) marcaram presença na mesa-redonda para debater projetos em benefício da categoria que estão na pauta da Câmara. O tucano Darcísio Perondi, que havia confirmado sua participação, não compareceu. Os aposentados e pensionistas constituem o maior movimento social da América Latina.

Antes do início da conferência, o presidente da Cobap – Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas, Warley Martins Gonçalles, fez um balanço de sua gestão. Ele lembrou de um grande ato realizado pela entidade, quando convocou a categoria a ocupar o plenário da Câmara dos Deputados e só deixar o local quando houvesse garantias de que o PL 001 iria à votação. Apesar da promessa do presidente do Senado, José Sarney, o projeto não está na pauta de votações. Por isso, Gonçalles anunciou novo ato em Brasília, na próxima terça-feira, 23.

O primeiro tema do debate foi justamente sobre a opinião dos parlamentares sobre os projetos que tratam das aposentadorias. Luciana e PSOL sempre se manifestaram a favor das propostas. “Vivenciamos a luta para que sejam votadas na Câmara. Já foi no Senado, que não tem se submetido ao governo federal no que diz respeito aos aposentados, especialmente, o senador Paulo Paim, autor dos projetos 001 e pelo fim do fator previdenciário.” A deputada falou que a desvinculação do reajuste das aposentadorias ao salário mínimo é responsável por perdas de 76,4% nos rendimentos da categoria.

Luciana foi muito aplaudida ao citar que os R$ 10 bilhões que o governo alega ter ganho com o fator previdenciário são, na verdade, nada para os cofres públicos, mas uma fortuna que os aposentados deixaram de receber. “São R$ 10 bilhões que deixam de circular em nossa economia, porque aposentado não é especulador. Aposentado tem gastos, compra remédios, paga a escola dos netos, ajuda a família, enfim, gera mais riquezas com seu dinheiro.” Ela criticou a tentiva de transformar o projeto pelo fim do fator previdenciário em uma “amenização”, e defendeu sua total extinção: “Queremos o projeto tal qual foi aprovado no Senado.”

A parlamentar elogiou a mobilização da categoria e disse que é por isso que os projetos não vão à votação: os deputados têm medo de desagradar um grupo tão organizado. “Isso é mérito de vocês. Quem votar contra, para não desagradar o governo, está condenado a não se reeleger.” Luciana aconselhou os aposentados e pensionistas a voltar a ocupar o Plenário: “Da próxima vez, não saiam de lá com promessas, só saiam depois da votação. Eu me comprometo a participar do movimento. Meu voto vocês já sabem que têm.”