Luciana Genro

Tucanos não aprovam representação contra Luciana

06 de março de 2009 17h19

“O destino certo da representação do PSDB contra Luciana Genro é o arquivo.” Quem diz isso é o jornalista do Correio Braziliense Alon Feuerwerker, que completa: “…se a Câmara dos Deputados seguir o que diz a Constituição.” O jornalista lembra que mandato parlamentar é inviolável: “Deputados e senadores podem fazer as denúncias que quiserem, e não precisam provar nada. Que o diga o senador Jarbas Vasconcelos. Daí por que a ação tucana contra a deputada do PSOL deva ser vista apenas como o que é: uma tentativa de intimidação.”

A própria bancada tucana não apóia a representação contra Luciana apresentada por José Aníbal à corregedoria da Câmara. Matéria de Tiago Pariz, do mesmo jornal, cita que, “dentro do PSDB, poucos acreditam que o processo contra Luciana seguirá adiante”. Ele diz que os deputados do partido classificam a decisão de Aníbal como um ato político em defesa da governadora Yeda. “A representação tem um caráter político, mas tenho dúvida se ela é o melhor instrumento porque a imunidade parlamentar é inviolável”, lembrou o vice-líder tucano, Bruno Araújo.

Outro deputado tucano, que preferiu não ser identificado, disse que Aníbal sequer consultou a bancada para informar sua decisão de pedir a cassação de Luciana. Para ele, a iniciativa da representação foi “exacerbada”. Já o deputado Gustavo Fruet (foto), lembrou que “Luciana Genro tem todo o direito de fazer as denúncias e fazer seu papel de oposição”. E completou: “A cassação dela é impensável.”