Luciana Genro

PSOL revela corrupção no Estado em coletiva de imprensa

19 de fevereiro de 2009 11h50
Crédito: Hugo Scotte

Crédito: Hugo Scotte

Segundo a deputada federal Luciana Genro, a morte misteriosa do ex-representante do Rio Grande do Sul em Brasília, Marcelo Cavalcante, obrigou o PSOL a compartilhar com o público as informações que vinha levantando sobre casos de corrupção do governo gaúcho, dos quais o assessor tinha conhecimento. “São informações graves e importantes. Marcelo estava prestes a ser ouvido sobre o caso do Detran e negociando sua delação premiada, pois quando abrisse seu arquivo ao Ministério Público Federal também se tornaria réu”, explicou a parlamentar.

Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira, foram apresentados nove dados baseados em provas testemunhais e gravações em vídeo. Luciana, o presidente estadual do PSOL, Roberto Robaina, e o vereador Pedro Ruas contaram aos jornalistas que ouviram dezenas de fontes sobre os esquemas relatados, inclusive Marcelo e o lobista Lair Ferst, mas preferiam não revelar quem deu cada informação para preservar as fontes.

Seguem as informações apresentadas. A maioria dos acontecimentos ocorreu no escritório de Ferst:

Para a campanha pelo governo do Estado, em 2006, foram entregues R$ 500 mil pela Mac Engenharia. Na reunião, estavam presentes Marcelo, Ferst, Chico Fraga, Aod Cunha, Delson Martini e Carlos Crusius.

Fumegeiras de Santa Cruz e Venâncio Aires entregaram duas parcelas de R$ 200 mil à campanha, na presença de Ferst e Aod, que enfatizaram o fato de que não dariam recibo por orem da então candidata Yeda Crusius.

O deputado José Otávio Germano doou R$ 400 mil para a campanha a título de “crédito político”, na presença de Marcelo, Ferst e a própria candidata.

Outro vídeo mostra toda a formatação da compra da casa da governadora eleita, com a entrega de R$ 400 mil em dinheiro. Estavam presentes Ferst e o corretor Alberti.

Já empossada, a governadora não aceita distribuição do lucro do esquema no Detran, pois considera R$ 100 mil mensais muito pouco. A reunião – única citada sem registro em vídeo – contou com Yeda, Ferst, Vaz Neto e Dorneu Maciel.

A secretária de Yeda, Walna, e Martini fazem a distribuição de “mensalinhos”, na presença de Marcelo e Ferst.

Humberto Busnello entrega R$ 100 mil para Aod, na presença de Ferst.

Conversa revela que contas particulares de pessoas ligadas ao governo, inclusive Yeda, são pagas por agências de publicidade, principalmente a DCS. Ferst e Marcelo aparecem no vídeo.

Ferst negocia reforma da casa da governadora com a Magna Engenharia.

Investigações

A investigação no MPF está sendo coordenada pelo procurador federal Enrico Rodrigues de Freitas. Também participam os procuradores Adriano Haudi, Alexandre Schneider e Ivan Mrx. A juíza é Simone Barbisan. Pedro Ruas fez questão de frisar que não teve contato com nenhum deles.

Luciana contou ainda que pedirá ao presidente da Câmara Federal, Michel Temer, que os deputados possam ter acesso aos laudos sobre a morte de Marcelo, para assegurar que o caso seja devidamente investigado. “Independentemente de ter sido assassinato ou suicídio, foi uma morte, e só por isso já merece ser apurado.”