Luciana Genro

Espaços públicos: lazer e esporte na cidade

Viver em comunidade pressupõe preservar o principal bem de uma cidade: seus espaços públicos. É nas ruas, avenidas, praças, largos e parques que a vida acontece, que as pessoas exercem atividades de esporte e lazer, estabelecem vínculos sociais e ressignificam sua relação com o espaço urbano. É também no espaço público que a cidadania se mobiliza e encontra referências para lutar por seus direitos.

Foi assim nas lutas contra a construção de espigões no Pontal do Estaleiro, contra o cercamento da Redenção, contra a privatização do Araújo Vianna e contra a derrubada de árvores no Centro Histórico. É assim agora na luta contra o projeto de privatização do Cais Mauá. Os espaços públicos são territórios em disputa e, também, alvo da cobiça das grandes construtoras, que enxergam a cidade apenas como uma oportunidade de negócios.

O esporte no Brasil cumpre um papel fundamental no desenvolvimento de uma identidade e cultura nacionais. O futebol, como também outras modalidades esportivas, contribuem, assim, para o desenvolvimento da coesão social. É por essa razão que quando falamos de uma política municipal de esporte precisamos ter em mente que esta atividade é fundamental na construção do viver bem em comunidade.

Uma cidade com as características de Porto Alegre, com uma ampla orla aquática e grandes parques urbanos, tem todo potencial para oferecer a seus moradores a prática de diversos esportes e, com isso, fortalecer vínculos sociais comunitários positivos.

A organização de atividades físicas não competitivas em espaços públicos e de um conjunto de modalidades esportivas como maratonas, torneios nos bairros, além do apoio aos times de várzea, são instrumentos para a criação e fortalecimento dos vínculos sociais e também de apropriação e preservação dos espaços públicos.

Porto Alegre possui nove grandes parques, 617 praças, uma imensa orla aquática e apenas uma rua para pedestres em toda sua região central – a Rua da Praia, que possui um pequeno trecho destinado exclusivamente às pessoas. Valorizar os espaços públicos da cidade significa, primeiramente, valorizar estimular a ocupação das das praças e parques.

Apresentamos as seguintes propostas:

  • Defesa da orla do Guaíba para todos os portoalegrenses

    Uma das zonas mais visadas pela especulação imobiliária é a orla do Guaíba. O projeto Cais Mauá e outros da mesma espécie devem ser barrados e reorientados para uma apropriação social e comunitária

  • Plebiscitos ou referendos para aprovação ou rejeição projetos

    Plebiscitos ou Referendos para aprovação ou rejeição, pela comunidade, de projetos que representem intervenção drástica na paisagem e vida de regiões ou de toda a cidade: esses projetos devem ser intensamente debatidos e decididos pela população local e com os cidadãos em geral.

  • Estimular a ocupação dos espaços públicos

    A prefeitura precisa ver com bons olhos os eventos auto-organizados pela cidadania para a ocupação dos espaços públicos, como a Serenata Iluminada da Redenção e o Largo Vivo. Os espaços públicos devem ser apropriados pela cidadania através de atividades culturais, de lazer e até de trabalho, que possibilitem a organização de cadeias produtivas, como a economia criativa, solidária e colaborativa.

  • Equipamentos públicos

    Priorizar a completa adequação e manutenção de espaços urbanos (praças, centros comunitários, etc.), com plano de jardinagem e arborização, não aceitando o padrão de concreto que tem se usado em todo o país.

    Promover atividades e ações para e com a comunidade escolar em finais de semana e feriados (Escola Aberta para a Comunidade)

  • Espaços públicos verdes

    Transformar os espaços como CALÇADAS e CANTEIROS CENTRAIS de vias em áreas permeáveis por meio de espaços verdes, a fim de garantir os microclimas locais, com plantio de gramas, composições florísticas, arbustos etc. Esta prática contribui significativamente na prevenção de alagamentos, uma vez que o solo absorve grande quantidade de água da chuva;

    Plano de arborização para a cidade, priorizando o (re)plantio de espécies nativas.

  • Redimensionar a praça rev. Farroupilha (largo da estação centro do Trensurb)

    O largo da estação Centro do Trensurb deve ser revitalizado e ocupado para atividades como pequenos shows, exposições, feiras e outros eventos de pequeno porte.

  • Revitalizar terminais centro e mercado

    O Terminal Centro (e em consequência o Centro Popular de Compras) precisa ser revitalizado/humanizado, oferecendo um espaço digno para os passageiros de ônibus e clientes. Da mesma forma, o Terminal Mercado precisa de revitalização e redimensionamento, pois não comporta o aglomerado de pessoas e a organização em filas, especialmente nos horários de pico. Lixeiras, bituqueiras nas entradas, manutenção e limpeza constantes.

  • Esporte como política pública

    Fortalecimento da Secretaria Municipal do Esporte desenvolvendo um Projeto Esportivo para a cidade, em conjunto com profissionais e usuários.

  • Políticas regionalizadas e construidas democraticamente. As prioridades e necessidades reais para a prática de atividades físicas e esportivas na cidade devem ser definidas de forma regionalizada e democrática, a partir do diálogo com a juventude e com o conjunto dos atores envolvidos no esporte.
  • Revitalização e ampliação dos espaços esportivos da cidade. Os grandes parques e as praças de bairros da periferia devem ser dotados de equipamentos para a prática de exercícios físicos e quadras poliesportivas bem como de técnicos especializados em diversas práticas.
  • Revitalização das piscinas comunitárias. As sete piscinas públicas de Porto Alegre são um eixo fundamental deste processo de fortalecimento de vínculos sociais, já que estão localizadas em centros comunitários nos bairros mais afastados da cidade. O governo deve desenvolver ações em parcerias com a rede escolar para evitar depredações e brigas, problemas recorrentes relatados nestes centros. Além disso, é preciso dotar os centros comunitários da infraestrutura material e de pessoal necessários ao desenvolvimento dos seus projetos.
  • Reforma e ampliação do número de pistas de skate. Porto Alegre tem em torno de dez pistas com condições mínimas de receber competições e usuários em larga escala. Essa rede precisa ser mantida de forma adequada, revitalizada e ampliada.
  • Estímulo a outras modalidades esportivas como os jogos de gramado.

Propostas para Porto Alegre