Contra Cunha e Temer, por eleições gerais em 2016

Por Luciana Genro

O Brasil vive um momento de extrema gravidade. Uma profunda crise econômica, aliada a uma grave crise política trazem sofrimentos gigantescos para o nosso povo. Explicitei, na campanha eleitoral presidencial, as profundas divergências existentes entre mim e a Presidenta Dilma Rousseff, bem como entre os nossos partidos.

Quando Dilma ingressou no PT, eu e outros companheiros estávamos sendo punidos e expulsos por não concordar com os rumos tomados por este partido, que foi um importante instrumento da luta dos trabalhadores, mas que, ao chegar no poder, transformou-se em aplicador dos planos do capital. Por isso fundamos o PSOL.

Não espero que este caminho escolhido pelo PT há vários anos vá agora mudar. Portanto, o objetivo deste texto não é discutir estas diferenças irreconciliáveis ou propor ao governo que faça o que o PSOL faria se governasse o Brasil. Não alimento ilusões de que este governo possa deixar de atacar os interesses do povo através de uma política econômica de ajuste fiscal e de medidas que fragilizam direitos sociais. Não vou aqui apelar para que Dilma aplique medidas que mexam nos privilégios dos de cima, dos bancos e milionários, pois este é um programa pelo qual lutamos e seguiremos lutando nas ruas e também nos processos eleitorais futuros.

A situação de urgência neste momento é o iminente golpe político que nosso país está prestes a vivenciar. O que ocorreu ontem na Câmara dos Deputados, com a imposição do voto secreto que deu à oposição de direita uma vitória claramente golpista, é uma expressão clara de um processo ilegítimo que visa alcançar o impeachment. Este processo de impeachment, conduzido por Eduardo Cunha, não tem legitimidade alguma, pois vem sendo conduzido com métodos golpistas e através de manobras fraudulentas. Um presidente da Câmara sobre quem pairam acusações gravíssimas não tem autoridade política ou moral para conduzir um processo de destituição de um governo eleito.

Nosso primeiro desafio é, portanto, derrotar Cunha, seu impeachment e colocar para fora este representante máximo da máfia no Congresso. Tenho enorme orgulho da postura da bancada do PSOL na Câmara, que sob a liderança do deputado Chico Alencar, tem sido incansável na luta contra Cunha desde o primeiro momento. É preciso seguir esta batalha para que este corrupto deixe a presidência da Câmara e vá para a cadeia. A partir daí é preciso ir além. Afinal, a simples continuidade do governo também não interessa ao povo.

É fato que,mesmo Dilma tendo sido recentemente reeleita, já padece de absoluta falta de apoio popular. Com toda razão o povo está indignado com a corrupção desenfreada que a Operação Lava Jato vem revelando e que envolve altos escalões de vários partidos. Está claro que a roubalheira não é fruto apenas do mau comportamento de alguns, mas um método de governo, e não só deste governo, que une partidos e grandes empresas no saque aos cofres públicos.

Não menos justa é a indignação popular com o desemprego que vem crescendo, com a carestia e com a deterioração cada vez maior dos serviços públicos, pelos quais os trabalhadores pagam uma alta carga tributária, muito mais do que os rentistas e milionários, protegidos por isenções e pela leniência com a sonegação.

Por isso, assim como não podemos aceitar um impeachment golpista, também não podemos nos alinhar na defesa de um governo que foi eleito com um discurso oposto ao programa que implementa.

Diante desta situação de absoluta falta de credibilidade e representatividade do governo e das instituições que deveriam zelar pelo interesse público, urge uma reorganização do país antes que as forças da oposição de direita consigam derrubar o governo pela força de manobras golpistas e o país seja entregue ao Vice-Presidente Michel Temer. Um vice cujo apoio popular, mostram as pesquisas, não passa de 2%, a metade do apoio que tem o meu nome, por exemplo, na mesma pesquisa. E, ainda mais grave, um vice que propõe um programa de ataques ainda mais cruéis contra os direitos do povo, como expresso na chamada “Agenda Temer”, uma agenda de neoliberalismo explícito.

A proposta que apresento neste momento crucial para os rumos do país é que a derrota do impeachment seja acompanhada pelo governo Dilma assumindo a responsabilidade de propor que as eleições municipais de 2016 se transformem em eleições gerais para renovar todos os parlamentos e o Poder Executivo. Eleições sem financiamento privado, conforme decidido pelo STF, e com direitos iguais para todos os candidatos.

Através de novas eleições o povo poderá expressar o seu descontentamento de forma direta, sem a intermediação de políticos e partidos golpistas, que se aproveitam da indignação popular para impor os seus interesses. Esta mudança no calendário eleitoral é absolutamente necessária diante da gravidade da situação, e nestes momentos de grave crise, mais do que nunca, é o povo quem deve ter a palavra final, e não as castas políticas em seus conluios escusos.

Acredito que só assim, com um chamado ao povo para que tome as decisões sobre o futuro do país nas suas próprias mãos, poderemos impedir que o país siga à deriva – e com os prejuízos sendo arcados pelos trabalhadores mais pobres e pela classe média – ou ainda que este governo seja substituído por outro ainda mais frágil e rendido aos interesses do grande capital e ainda mais afastado dos interesses do povo.

  • anon

    kkkkkk… putz… eu até achava interessante… agora acho que pra vc só cirandinha contra o capitalismo mesmo… podia ter ficado sem este barulho…

  • João Vieira Filho

    Luciana Genro, Marina Silva, Heloísa Helena, não tem o menor respeito ao gênero a que pertencem, são essencialmente oportunista, trazem a trairagem no DNA. Acreditam no primeiro aceno de quem quer que seja para voar alto.
    A trajetória dessas mulheres, que eu acompanho, me mostraram que elas são seres capazes…de tudo.

  • João Vieira Filho

    ????????????????????????????!

  • João Vieira Filho

    Quantos metros e intestino tens na cabeça “meu Caro”?

  • João Vieira Filho

    Clap! clap! clap! Só um reparo, o problema não é a esquerda que sou e tenho orgulho. O problema é a esquerdalha, muito próprio da maioria dos psolistas.

  • Roberto

    Bom, a Dilma traiu o povo com o Levy, não é?

    Creio sim, que a maioria que não sai a rua está também querendo o fim do governo!

  • Renato José de Oliveira

    Seria preciso fazer uma PEC que antecipasse as eleições de 2018. Nem Dilma nem o atual Congresso fariam isso. Só fariam se as ruas abraçassem essa proposta, o que não acho provável. Mas seria uma tênue luz no fim do tenebroso túnel em que a política se converteu no Brasil. É preciso não ter medo de pensar alternativas. E vc não teve, Luciana. Parabéns!

  • como diferenciar o clamor por eleicoes gerais fora do calendario da tentatuva do golpe paraguaio em curso?

  • Marcelo

    Luciana, seu conceito caiu muito para mim. Esta atitude, além de populista, é altamente oportunista.

  • Marcelo

    Prezado Nerd Supremo, sua interpretação está equivocada. O que se quer dizer é que a tal da “pedalada fiscal” nunca foi considerada crime de responsabilidade, não sendo, assim, motivo e respaldo legal para impeachement. Por que agora será considerada ? Resposta: porque é oportunismo, jogada política, um golpe mesmo da oposição !

  • Marcelo

    Perfeito ! É claro que os ajustes não são o ideal, mas se fosse mesmo o que as elites querem, não estariam tentando derrubá-la diuturnamente através do congresso, da mídia, do TCU etc. E, se esses pontos ruins do ajustem forem um passo pra trás para depois dar 2 ou 3 pra frente, é válido. Agora, se esses ajustes forem para fazer uma média com a Direita e com a mídia (dá no mesmo, né!), para ver se eles diminuem os ataques e o movimento pró-golpe, é uma estratégia totalmente equivocada !

  • edemilson araujo de barros

    Até um bom tempo atrás eu não seria favorável a este tipo de proposição, mas visto que as condições se agudiza (pois Dilma perdeu a legitimidade) tenho comigo que hoje seria o melhor caminho a ser adotado. Nesse sentido, a querida Luciana está coberta de razão mesmo porque o que está sendo proposto nada tem hver com golpe ou coisas de gênero. Nos moldes da proposição: deixe-mos que o povo decida.

  • suez alves de lima

    Você não votaria nela coisa nenhuma, não passa de um PTralha.

  • João Leonel

    Seu poder de argumentação é fascinante.

  • João Leonel

    Ok mas…cadê o crime?

  • Elton

    Luciana eu admiro sua posição, a Democracia não pode ficar na essência e sim prática lá, necessitamos que alguns avanços sejam consolidados, preservar alguns programas sociais estabelecidos e aprimora-los, o estado de direito deve ser respeitado, ideologías não mudam só são polidas, hoje estabelece um campo de oportunidades aos políticos sem caráter, dividindo interesses, deixando o povo em segundo plano, mais do isto mergulhando a economia do país num caos sem precedentes. Fortalecer programas e estabelecer o crescimento do país é de extrema necessidade e urgência, transpor as diferenças partidarias para o bem comum do país se faz necessário. Hoje aqueles que brigam por espaço no poder amanhã estaram juntos, isto é o jogo político, não tem necessidade de confronto, o Brasil é suficientemente grande para absorver seus filhos que divergem nos pensamentos e estabelecer um consenso.

  • Daniel Medronha

    Que decepção Luciana! Mas o bom disso tudo é que as mascaras estão caindo, perdi o pouco respeito que tinha por você.
    Você acredita mesmo que a esquerda ou você e seu partido teria qualquer chance de vitória com mais essa facada nas costas da esquerda contra a esquerda? Ou será a velha e insaciável sede de poder que te move?
    No passado a briga dos trabalhistas e socialistas pelo poder facilitou a ascensão do fascismo nesse país e de novo a história se repete.

  • Daniel Medronha

    Agnaldo amanhã quando tu eleger alguém que tu acredita que fará a diferença viremos nós e o removeremos do poder aí quero ver a tua opinião!

  • Gustavo

    É uma proposta melhor que impeachment.

  • Cecilia Marcos Caseiro

    Concordo com vc. E como a maioria votou em Dilma, calem-se os perdedores!

  • Claudio Daniel

    Golpistas! Trotsquistas sempre foram a quinta-coluna à serviço do fascismol!

  • Claudio Daniel

    Não me surpreende que você tenha apoiado o golpe de estado pró-nazista na Ucrânia e que seu colega Jean Wyllys seja fã do estado assassino de Israel!

  • Rosane

    Enquanto alguns dependentes do “Bolsa Família” ficam aqui defendendo os políticos do PT, eles estão lá usufruindo do dinheiro do povo, e não movem nem uma vírgula e nem fazem nada para diminuir as despesas do governo. Aliás não é só PT, são todos os políticos de TODOS OS PARTIDOS. Vocês acham que algum político está preocupado com o bem estar do povo???? eles estão preocupados sim é em garantir seus carros, apartamentos, transporte em aviões da FAB, tudo de graça, e que o estado fornece com o nosso dinheiro, dinheiro do contribuinte. Sim, porque todas as mordomias de nossos políticos são pagas com o dinheiro do PTista, do PMDBista, PSDBista, PSOLista, desde que sejam trabalhadores é claro e recolham seus impostos. De onde sai o dinheiro para pagar o “Bolsa Família” ????que aliás é um programa que nem foi criado pelo PT. É do bolso do contribuinte, não é nenhuma dadiva do governo. Quanto dinheiro foi desviado neste governo do PT, não que em outros não tenha havido corrupção, mas este foi o pior de todos. E para quem ficou a conta para pagar de todo este rombo???? para todos nós contribuintes, através do aumento de impostos e talvez a criação de uma CPMF que vai nos onerar ainda mais. E tenho certeza que os que defendem este governo não estão sendo isentados por serem aliados, vão ser cobrados da mesma maneira. Sou apartidária e não consigo acreditar em políticos e nem em partido algum.

  • Hermê Brandão

    Outra desesperada por poder. Pensei que essa moça fosse mais decente e respeitosa.. Mas não passa de mais uma gananciosa por poder, que até ignora as leis brasileiras, inclusive nossa Lei Maior. A pior coisa que há é vc mostrar o que nāo é. Acontece que o povo já não é tão babaca quanto ela pensa. Ninguém engana todo mundo todo tempo, moça. Recolha-se á sua insignificância. Vc nāo chega nem próximo do chão que Dilma pisa…

  • Fernando Ventura Jr.

    Foi o PSDB que criou o Bolsa Família, digo Escola. O PSDB não é direita. É um partido de centro-esquerda que tem medo de abraçar ideias liberais(as que vocês chamam de direita). Se o país fosse realmente capitalista o BNDES não poderia ficar escolhendo os seus campeões(Grupo Eike, JBS Friboi, Oderbrecht, OAS etc.)

  • Fernando Ventura Jr.

    Nenhu ajuste foi feito, nenhum cargo de confiança cortado, nenhum salário de ministro ou da presidente diminuido. A única coisa que aconteceu foram a liberação dos preços do petróleo e derivados e das tarifas de energia elétrica, que foram represadas em 2014 para a Dilma ser reeleita.

  • Evandro

    Lamentável esta posição, o que afirmo com amor e a alegria da gratidão, e

  • Lauro Neto

    Luciana esta correta em sua proposição, desde a vitória de Dilma em 2014 o pais perdeu a paz e esta sendo desestabilizado e moido, é evidente que este governo não tem mais folego, e mesmo ela tendo sido eleita com apoio de 54 milhões de pessoas, de forma justa ou injusta, as forças contrárias a ela ja estão mancomunadas e com instrumentos para tira-la, e pior, permanecendo Temer e Cunha, e um congresso com muitos prováveis corruptos e investigados. Se Dilma sair, e parece ser inevitável esta saída, não concordo em ter nem Temer e nem Cunha, ninguém ficara satisfeito com esta solução, então que se apeiem todos, Presidente, Vice, e todos os Deputados e Senadores, (e talvez até Governadores), que sejam inelegíveis aqueles que tem acusações e processos em curso, e que sejam convocadas Eleições Gerais, com votos auditáveis e a prova de fraudes, com oportunidades iguais a todos os partidos e a novos quadros para renovação do legislativo e executivo, com novas regras de campanha e espaço igual a todos, e que dessa vez se respeitem os vencedores…

  • Lauro Neto

    Se houverem novas eleições, não votarei na Marina, nem em qualquer candidato do PSDB, PMDB ou PT… “Entre maçãs podres não há o que escolher” – Wlliam Shakespeare

  • Raul Souza

    Acabou o respeito por essa senhora!

  • Rick Berry

    Luciana Genro, COXINHA ENRUSTIDA!

  • Azliw Assumb

    Adorei esse comentário!

  • Azliw Assumb

    curti

  • Azliw Assumb

    o povo pode e deve discutir amplamente sobre isso e cobrar isso da presidente, mas isso de forma organizada dentro da partiicipação popular, movimentos sociais, e não através de novas eleições antes de vencer o mandato

  • Oswaldo Mammana Neto

    Ahm Luciana, se trata de tirar o PT a qualquer custo. Que vergonha, sempre defendi que o PT conversasse com o PSOL, agora você me vem com essa. A esquerda sai fragilizada se Dilma sair de uma forma ou de outra. Eleições fragilizam a institucionalidade da Democracia no Brasil. É como os líderes populares da Grécia Antiga, uma hora tinham tudo, depois perdiam a popularidade e o caos se instaurava até surgir outro queridinho. Para com isso… tirar um cargo eletivo por eleições justas só fragiliza toda a institucionalidade…. a confiança dos brasileiros na Democracia…Decepção….Tsc Tsc Tsc.

  • Tito Lins

    É exatamente esse o problema desse país meu caro João Leonel, mentir, ser imoral pra conseguir determinado cargo não é considerado crime…

  • Germano Menezes

    Sim… Diante do iminente impedimento da Presidente Dilma, eu tenho que concordar com a proposta de Eleições Gerais.


Partido Socialismo e Liberdade (CNPJ 06.954.942/0001-95)
Site desenvolvido por GEMTE Comunicação (CNPJ 15.705.697/0001-73)